sicnot

Perfil

Economia

Greve de pilotos Lufthansa cancela voos de e para Portugal

A greve dos pilotos da Lufthansa vai provocar o cancelamento de todos os voos de e para Portugal que se deveriam realizar amanhã, quarta-feira, disse hoje à Lusa fonte oficial da empresa.

© Ilya Naymushin / Reuters

"Todos os voos de e para Portugal que se deviam realizar amanhã [quarta-feira] estão cancelados. Os passageiros estão a ser avisados e a Lufthansa está a fazer todos os esforços para minimizar os efeitos da greve", afirmou hoje a empresa alemã.

Em causa estão oito voos: três Lisboa/Frankfurt/Lisboa, dois Lisboa/Munique/Lisboa e três Porto/Frankfurt/Porto.

A mesma fonte da Lufthansa disse ainda que os passageiros podem alterar as reservas para voos alternativos ou cancelar as reservas "sem custos adicionais".

A greve dos pilotos da Lufthansa, que hoje se iniciou, provocou até agora como estava previsto o cancelamento de 84 voos de longo curso, informou fonte da transportadora.

Entretanto, representantes do sindicato alemão Vereininung Cockpit (VC), citados pela Efe, referiram que a greve pode afetar na quarta-feira também os voos de curto e médio curso e não afastaram a possibilidade de haver semanalmente novas greves no âmbito do atual conflito laboral com a companhia aérea.

A greve de hoje, que afeta os voos de longo curso e o transporte de mercadorias, é a 13.ª em 18 meses, e teve início pelas 06:00 (05:00 em Lisboa) e terminará pelas 22:00 locais (21:00 em Lisboa).

No centro do conflito estão os planos da companhia para mudar as regras de pré-reforma de 5.400 pilotos, bem como a futura estrutura da transportadora, na qual o VC teme uma deslocalização sistemática de postos de trabalho.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".