sicnot

Perfil

Economia

Países industrializados longe do desenvolvimento sustentável

A maioria dos países industrializados da OCDE não está ainda preparada para os novos objetivos globais de desenvolvimento sustentável previstos até 2030 que os líderes mundiais adotaram formalmente este mês numa cimeira especial da ONU.

© Carlo Allegri / Reuters

Segundo um estudo comparativo dos 34 estados membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), difundido hoje pela Fundação Bertelsmann, existe um risco de um fracasso no cumprimento dos objetivos.

O estudo identifica os Estados que podem constituir um exemplo a seguir para determinados objetivos de desenvolvimento sustentável e também aqueles onde continuam a verificar-se graves deficiências.

Entre os países melhor preparados para cumprir os novos objetivos da ONU figuram as nações escandinavas como a Suécia, Noruega, Dinamarca e Finlândia, seguidas da Suíça.

Já os Estados Unidos, Grécia, Chile, Hungria, Turquia e México são os pior posicionados,

"Tendo em conta o aumento da desigualdade social e o desperdício de recursos, os países ricos não podem continuar a dar lições ao mundo, nem devemos ditar como devem desenvolver-se os países emergentes", assinalou Aart de Geus, presidente da Fundação Bertelsmann.

O estudo assinala grandes diferenças entre países em relação a diferentes objetivos, em especial no que diz respeito à desigualdade social, que alcançou um nível sem precedentes nos países industrializados.

Nos 23 países da OCDE, os 10% mais ricos ganham tanto, ou mais, que os 40% mais pobres.

Também se observam grandes diferenças quanto à contaminação do ambiente: países como Austrália, Canadá, Polónia ou México emitem uma quantidade de dióxido de carbono por unidade de produção económica seis vezes superior à da Suécia ou Noruega.

"Se os países em vias de desenvolvimento conseguiram reduzir para metade a sua taxa de mortalidade infantil com a ajuda dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, devíamos poder exigir aos países industrializados que tornem os seus modelos económicos mais socialmente equitativos e mais sustentáveis, com a ajuda dos novos objetivos da ONU", assinalou Christian Kroll, diretor do estudo.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.