sicnot

Perfil

Economia

Carlos Tavares termina mandato na CMVM e novo governo escolhe mulher

O atual presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, termina hoje o seu mandato e será substituído por uma mulher após a eleição de um novo governo, a sair das eleições legislativas de outubro.

O presidente da CMVM, Carlos Tavares (Arquivo)

O presidente da CMVM, Carlos Tavares (Arquivo)

Lusa

Esta nomeação para a presidência decorre da alteração da lei-quadro das entidades reguladoras, que estabelece que o presidente do conselho de administração de todas as entidades reguladoras, onde se inclui a CMVM, "deve garantir a alternância de género", bem como os restantes três vogais devem "assegurar a representação mínima de 33% de cada género".

Carlos Tavares, que esteve dois mandatos ou dez anos à frente do regulador do mercado de capitais, e a restante administração, com exceção da vice-presidente Gabriela Figueiredo Dias, termina hoje o seu mandato, mas continuará em funções até ser nomeado um novo conselho de administração pelo governo a sair das eleições de 4 de outubro, isto porque o atual executivo, liderado por Pedro Passos Coelho, está impedido por lei de realizar nomeações.

Gabriela Figueiredo Dias vai continuar por mais seis anos uma vez que foi nomeada em junho pelo Governo e iniciou funções a 1 de julho, ocupando o lugar deixado vago na administração da CMVM após a morte de Amadeu Ferreira, que faleceu em março depois de 23 anos no regulador.

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.