sicnot

Perfil

Economia

Custo da mão-de-obra sobe 1,6% na zona euro

Os custos horários da mão-de-obra aumentaram 1,6% na zona euro e 1,9% na União Europeia (UE) no segundo trimestre do ano, face ao período homólogo de 2014, revela hoje o Eurostat.

Empresas que apresentarem até hoje as declarações de remunerações de todos os trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo nacional podem beneficiar da redução da TSU.

Empresas que apresentarem até hoje as declarações de remunerações de todos os trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo nacional podem beneficiar da redução da TSU.

(LUSA/ ARQUIVO)

O gabinete oficial de estatísticas da UE mostra ainda que o custo da mão-de-obra aumentou, na zona euro, oito décimas nos primeiros três meses do ano, contra os 2,8% do último trimestre de 2011.

No primeiro trimestre de 2015, o indicador tinha aumentado 1,9% na zona euro e 2,3% na UE.

As principais subidas nos custos horários da mão-de-obra foram observadas na Letónia (7,9%), na Roménia (7,7%), na Bulgária (6,8%) e na Estónia (5,5%).

Já as quebras mais importantes verificaram-se na Grécia (-2,9%), em Chipre (-1,2%) e na Itália (-0,4%).

Em Portugal, o ritmo registado foi de 1,2%, o quinto mais baixo da UE, a par do Luxemburgo.

O índice de custo da mão-de-obra é um indicador conjuntural da evolução dos custos horários suportados pelos empregadores e é calculado dividindo o custo da mão-de-obra pelo número de horas trabalhadas.

Lusa

  • Bernardo Silva no City? O que Pep Guardiola disse ao português na Champions
    0:34
  • A promessa e a peregrinação do Presidente no Luxemburgo
    2:28
  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33

    Mundo

    O Presidente do Brasil diz ter condições para continuar à frente do Palácio do Planalto. Num vídeo publicado no Twitter, Michel Temer garante que o país não parou, nem vai parar, mas há uma nova gravação que pode comprometer o futuro do chefe de Estado.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57