sicnot

Perfil

Economia

Fed mantém taxas de juro inalteradas

A Reserva Federal (Fed) norte-americana decidiu hoje deixar as taxas de juro inalteradas, optando pela prudência face ao impacto "dos recentes desenvolvimentos da economia mundial e financeira".

© Dado Ruvic / Reuters

No final de uma reunião em Washington, que foi muito esperada pelos mercados financeiros, o Comité de Política Monetária (FOMC, na sigla em inglês) manteve as taxas entre os 0 e os 0,25%, tal como estão desde dezembro de 2008, uma decisão que contou com a oposição de um dos elementos deste comité, que defendeu uma subida de um quarto de ponto percentual.

No comunicado da Fed após a reunião, os membros do FOMC tomaram nota das últimas turbulências nos mercados financeiros, da queda dos preços da energia e das matérias-primas, bem como do abrandamento da economia chinesa, elementos que podem influenciar os preços em queda.

O objetivo do banco central norte-americano é que a inflação nos Estados Unidos fique em torno dos 2% no médio prazo, um nível que considera ser saudável para a economia. A taxa de inflação está nos 0,3%.

"Os recentes desenvolvimentos económicos e financeiros podem restringir um pouco a atividade económica e podem exercer uma pressão em baixa na inflação a curto prazo", lê-se no comunicado.

A Fed considera que a economia norte-americana prossegue a um ritmo "moderado" e o FOMC assinala um modesto crescimento da despesa das famílias e dos investimentos das empresas, afirmando ainda que o mercado de trabalho "continua a melhorar, com sólidas criações de emprego e um declínio do desemprego".

Em agosto, a taxa de desemprego nos Estados Unidos ficou nos 5,1%, o valor mais baixo dos últimos sete anos.

A inflação está bastante abaixo do objetivo fixado, o que reflete "parcialmente" as baixas dos preços da energia e "os preços das importações".

De acordo com as suas projeções económicas, a Fed está mais otimista quanto ao crescimento económico e quanto ao desemprego do país para este ano, mas mais prudente para 2016, antecipando um crescimento de 2,1% em 2015 (acima dos 1,9% previstos em junho).

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa