sicnot

Perfil

Economia

Lagarde diz que riscos negativos para economia global aumentaram nos últimos meses

Os riscos para a economia global cresceram nos últimos meses, sobretudo devido ao abrandamento económico da China e também ao início previsto do ajustamento da política monetária norte-americana e britânica, afirmou hoje a diretora-geral do FMI.

© Handout . / Reuters

"Os riscos em baixa são maiores do que antes", afirmou Christine Lagarde numa conferência sobre os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, quando comentava o estado da economia mundial e o abrandamento recente da economia chinesa como um fator importante.

Além da China, que teve um mês de agosto difícil com episódios de grande volatilidade financeira e cujas autoridades surpreenderam com uma desvalorização do yuan, a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI) sublinhou que "é provável" que a iminente subida das taxas de juro nos Estados Unidos e no Reino Unido também gere "turbulências".

Christine Lagarde destacou ainda que outra preocupação do Fundo é a crescente desigualdade de rendimentos: "Se queremos contar com um crescimento sustentável, uma desigualdade menor é muito melhor", disse.

O FMI vai realizar a próxima assembleia anual em Lima, no Perú, de 06 a 11 de outubro, altura em que vai apresentar as suas novas previsões de crescimento económico global.

Em julho, altura em que atualizou as últimas previsões, o Fundo tinha previsto que a economia mundial crescesse 3,3% este ano e 3,8% em 2016.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.