sicnot

Perfil

Economia

Farmacêutica recua no aumento de 5.000% de medicamento para doentes com VIH/Sida

De um momento para outro, o medicamento Daraprim, passou de 12 euros para, espante-se, 671 euros. O CEO da Turing Pharmaceuticals, que se desdobrou em entrevistas depois da divulgação do aumento, já veio dizer que está disposto a recuar na decisão. Só não disse quanto irá custar o medicamento crucial para doentes com VIH/Sida e grávidas.

Martin Shkreli, CEO da Turing Pharmaceuticals.

Martin Shkreli, CEO da Turing Pharmaceuticals.

Martin Shkreli, o CEO da Turing Pharmaceuticals, é o responsável por este aumento "ultrajante" nas palavras de Hilary Clinton.

Nos últimos dias tem-se desdobrado em entrevistas para explicar o aumento de quase 5.000% do medicamento usado para tratar a toxoplasmose.

Decidiu, agora, recuar mas sem adiantar pormenores. Garantiu apenas que o Damatrin vai ficar "mais acessível".

A polémica estalou no início da semana após uma notícia publicada pelo New York Times que revelava que o Daratrim, ía saltar dos 12 euros para os 671 euros.

O Daraprim custa menos de um euro a ser produzido e está à venda há mais de 60 anos. É usado para tratar a toxoplasmose, uma doença que afeta doentes com VIH-SIDA, doentes oncológicos e grávidas.

Em agosto, os direitos do Daraprim foram comprados pela Turing Pharmaceuticals, de Martin Shkreli. O negócio custou-lhe 55 milhões de euros.

Martin Shkreli garante que o preço não reflete "as despesas que a Turing Pharmaceuticals tem com marketing ou distribuição" e os lucros do aumento "serão utilizados na investigação de novos tratamentos" para o VIH/Sida.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.