sicnot

Perfil

Economia

Moody's alerta Portugal que consolidação orçamental tem de continuar por vários anos

A Moody's, que continua a atribuir uma nota de não investimento a Portugal, alertou hoje que a consolidação orçamental "tem de continuar por vários anos" para garantir que a dívida pública entra numa "trajetória clara" de queda.

Reuters

Numa nota hoje divulgada sobre Portugal, que não inclui uma decisão de 'rating', a agência de notação financeira afirma que a situação orçamental de Portugal se deteriorou significativamente nos últimos anos, sobretudo devido ao "forte aumento do rácio da dívida pública" para os 130% do Produto Interno Bruto (PIB) no final de 2014, mas sublinha que "foi feita uma consolidação orçamental substancial" e que "o Governo está fortemente comprometido em reduzir ainda mais o défice".

Esperando que o défice fique nos 3% do PIB este ano, acima dos 2,7% apontados pelo Governo, a Moody's alerta que "a consolidação orçamental vai ter de continuar por vários anos para colocar a dívida numa trajetória clara de queda".

A Moody's refere que a nota 'Ba1', atribuída a 25 de julho de 2014 e que a agência de notação financeira mantém, reflete "os níveis de vida relativamente altos do país, a economia diversificada e as instituições fortes", aspetos que "contribuíram para a implementação bem-sucedida" do programa de resgate, destacando também "a forte consolidação orçamental" e as "amplas reformas estruturais" realizadas nesse período.

No entanto, a instituição aponta como aspeto negativo "uma perspetiva de crescimento apenas moderada", tendo em conta que "é provável que os elevados níveis de endividamento do setor privado continuem a restringir a atividade económica".

Quanto às reformas estruturais, a instituição considera que estas "têm um impacto positivo no crescimento económico", embora "isto seja difícil de quantificar nesta fase".

Na avaliação de riscos, a Moody's destaca duas áreas principais: por um lado, os riscos legais e políticos e, por outro, o setor bancário.

"Os riscos legais e políticos relacionados com uma consolidação orçamental sustentada e assente na despesa continuam significativos", escreve a agência de 'rating', referindo que o Tribunal Constitucional "rejeitou repetidamente cortes na despesa propostos pelo Governo" e que "é incerto que haja um amplo consenso político sobre como realizar a consolidação nos próximos anos".

Em segundo lugar, a Moody's realça que "o setor bancário continua a ser fraco, com elevados níveis de crédito malparado e baixa rentabilidade".

Na nota hoje divulgada, a Moody's não altera o 'rating' atribuído a Portugal, que é de 'Ba1', o nível mais alto de 'lixo' e também mantém as perspetivas estáveis, o que significa que não prevê que haja alterações da nota no curto prazo.

No entanto, a agência de notação financeira escreve que "a combinação" de todos estes fatores coloca Portugal num intervalo de 'rating' de Baa1-Baa3, níveis que já são considerados de investimento, esclarecendo que as suas notas "incorporam as expectativas sobre futuras métricas e o desenvolvimento de riscos que podem diferir dos implícitos ao intervalo de 'rating'".

"O processo [de atribuição] de 'rating' é deliberativo e não mecânico, o que quer dizer que depende de comparações entre pares e que deve deixar margem para ter em conta fatores de risco excecionais, o que pode fazer com que o 'rating' atribuído esteja fora do intervalo de 'rating' indicativo", acrescenta a Moody's.

A agência de notação financeira afirma que a nota atribuída a Portugal pode ser cortada "se o compromisso do atual ou do próximo Governo com a consolidação orçamental abrandar significativamente, pondo em risco a sustentabilidade da trajetória da dívida pública", e destaca ainda como pressão no sentido negativo um eventual "reaparecimento de um 'stress' elevado nos mercados financeiros e de dívida na zona euro".

Por oposição, a Moody's indica que pode subir a nota de Portugal "se a consolidação orçamental e a redução da dívida continuarem a um ritmo relativamente forte e se houver indicações claras de que isso vai ser mantido além da atual legislatura".

Um crescimento económico "significativamente mais forte" do que o esperado "também seria benéfico" para o 'rating', uma vez que seria sinal de que "as reformas estruturais extensas implementadas ao longo dos últimos três anos estão a dar frutos" e a permitir um crescimento mais elevado e sustentado, o que teria "efeitos positivos na trajetória da dívida".

Lusa

  • Portugal inicia preparação para o Mundial sem Cristiano Ronaldo

    Rumo ao Mundial 2018

    A seleção portuguesa de futebol começa hoje a preparar a participação no Mundial2018, que arranca em 14 de junho, na Rússia, com um treino na Cidade do Futebol, em Oeiras, numa sessão em que são esperadas algumas ausências. O capitão Cristiano Ronaldo, que vai disputar no sábado a final da Liga dos Campeões com o Real Madrid, é baixa certa no arranque dos trabalhos, mas não deve ser o único.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta terça-feira realiza-se o funeral do antigo ministro António Arnaut na Figueira da Foz. Em Sintra está previsto o início do julgamento dos 17 agentes da PSP acusados de agredirem jovens da Cova da Moura, concelho da Amadora, no interior da esquadra de Alfragide. Em Oeiras, a seleção portuguesa de futebol começa hoje a preparar a participação no Mundial2018.

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20