sicnot

Perfil

Economia

Meta do défice de 2015 comprometida, diz UTAO

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) concluiu que a meta do défice de 2015 está mesmo ameaçada após analisar os dados do primeiro semestre divulgados esta semana pelo INE.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A UTAO diz mesmo que a própria saída do Procedimento dos Défices Excessivos pode estar comprometida, o que significa que o défice deste ano poderá ficar, uma vez mais, acima dos 3% exigidos em Bruxelas.

Pelas contas da UTAO, o défice do primeiro semestre representa quase 85% da meta, que era de 2,7%.

Embora reconheça que o desempenho das contas públicas habitualmente melhora na segunda metade do ano, os técnicos do Parlamento avisam que, para se cumprir o objectivo, o défice do segundo semestre teria de ser de apenas 0,9%. Um cenário que a UTAO considera particularmente difícil de atingir, sobretudo num ano de eleições.

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26
  • Vulcão Etna em erupção
    1:34
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.