sicnot

Perfil

Economia

Sonae vende participação no projeto de retalho em Angola a Isabel dos Santos

A Sonae vendeu a posição que tinha no projeto de retalho alimentar em Angola à empresária angolana Isabel dos Santos, confirmou hoje fonte oficial da empresa.

"Na sequência das informações anteriormente prestadas, a participação da Sonae e as consequentes responsabilidades assumidas por esta, no âmbito do projeto de investimento no retalho alimentar em Angola, foram adquiridas pelo grupo da engenheira Isabel dos Santos", afirmou fonte oficial.

Quanto às razões da venda da participação e montante envolvido na operação, a Sonae não avançou qualquer informação.

O Jornal de Negócios noticiou hoje que Isabel dos Santos rompeu a parceria que tinha com a Sonae, a qual tinha sido formalizada a 15 de abril de 2011.

A empresária dá hoje uma conferência de imprensa em Angola sobre o assunto.

Ex-quadro da Sonae lidera novo hipermercado angolano "Candando"

O ex-quadro da Sonae Miguel Osório é o administrador do novo projeto de retalho em Angola, da empresária Isabel dos Santos e que vai operar a rede de hipermercados "Candando", representando o fim da parceria com aquele grupo português.

O grupo Contidis, que vai operar sob a marca "Candando" (abraço), foi apresentado hoje em Luanda, em conferência de imprensa, precisamente por Miguel Osório, que confirmou tratar-se uma empresa detida a 100 por cento pela empresária angolana, prevendo um investimento de 400 milhões de dólares (356 milhões de euros) nos próximos cinco anos.

Anteriormente tinha sido anunciada uma parceria entre Isabel dos Santos e o grupo Sonae para a introdução de uma rede de hipermercados em Angola.

A abertura da primeira loja "Candando", de um total previsto de dez ao longo de cinco anos, deverá acontecer no primeiro semestre de 2016, em Luanda, anunciou Miguel Osório.

Com 10.000 metros quadrados, esta primeira loja ficará instalada no Shopping Avennida, em Luanda.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.