sicnot

Perfil

Economia

Portugal cai duas posições no "ranking" de competitividade

Portugal caiu duas posições no "ranking" mundial de competitividade 2015-2016, ficando em 38º lugar, segundo a lista hoje divulgada pelo Fórum Económico Mundial, estando entre as dez economias desenvolvidas que ficaram em pior lugar.

Armando Franca

De acordo com o Relatório de Competitividade Mundial 2015-2016, publicado hoje pelo Fórum Económico Mundial, Portugal surge na posição número 38 nesta edição, uma classificação que coloca a economia portuguesa entre as dez economias desenvolvidas menos competitivas, juntamente com a Grécia (81), a Eslováquia (67), Chipre (65), Eslovénia (59), Malta (48), a Letónia (44), Itália (43), a Lituânia (36) e Espanha (33).

Este índice continua a ser liderado pela Suíça, por Singapura e pelos Estados Unidos. A Alemanha surge na quarta posição (subindo um lugar) e a Holanda fica em quinto lugar (subindo três posições). O top 10 inclui ainda o Japão, Hong Kong, a Finlândia, a Suécia e o Reino Unido.

No final da tabela estão a Guiné, o Chade, a Mauritânia, a Serra Leoa, o Burundi, o Malaui, o Haiti, Moçambique, a Venezuela e Myanmar.

O documento refere que "a maioria das economias desenvolvidas recuperou os seus níveis de competitividade antes da crise" e, tal como nos anos anteriores, ocupam todas os lugares de topo nos "rankings".

"No entanto, permanecem algumas disparidades, com alguns países da Europa de Leste e do Sul a ocupar os lugares mais baixos" entre as economias desenvolvidas, sendo de destacar o caso da Grécia, que é "a economia menos competitiva deste grupo".

O acesso ao financiamento é "o principal obstáculo ao crescimento" nas economias desenvolvidas, com a exceção dos Estados Unidos, cujo nível de acesso ao financiamento já está próximo do verificado antes da crise.

Mas, o financiamento da zona euro "é muito mais difícil" do que era há oito anos, sendo "um dos fatores mais importantes a abrandar o crescimento do continente".

O Fórum Económico Mundial aponta, por um lado, que, quase uma década de instabilidade económica e uma recessão prolongada "erodiram a confiança nas instituições públicas desde 2007" na maioria das economias desenvolvidas, "sobretudo na Europa do Sul", mas destaca, por outro lado, que "a qualidade das infraestruturas melhorou na Europa do Sul", tendo Itália apresentado o maior crescimento neste ponto.

O relatório, que vai ser apresentado esta manhã em Lisboa, dá conta da "emergência de uma divisão na Europa" entre os países reformistas e os outros países.

"Em França, na Irlanda, em Itália, em Portugal e em Espanha, observamos melhorias significativas nas áreas da competitividade do mercado e da eficiência do mercado de trabalho, devido às reformas que estes países implementaram. Por oposição, Chipre e a Grécia falharam na melhoria destes pilares", lê-se no relatório.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.