sicnot

Perfil

Economia

Repsol prevê dispensar 1.500 trabalhadores nos próximos três anos

A Repsol prevê reduzir em 6% o quadro de pessoal nos próximos três anos, o que implicará a saída de cerca de 1.500 dos 25.000 trabalhadores que atualmente integram o grupo.

© Andrea Comas / Reuters

Numa comunicação interna a que agência Efe teve acesso, a empresa refere que esta redução do quadro de pessoal decorrerá ao longo dos primeiros três anos do seu plano estratégico para o período 2016-2020, a apresentar a 15 de outubro e que foi elaborado após a compra da petrolífera Talisman.

Contactada pela agência Lusa, fonte oficial da Repsol em Portugal disse não haver "nenhum programa de despedimentos previsto" para o país, esclarecendo que "este processo será feito por rotação natural de trabalhadores".

"Não existe uma meta específica por país, os números vão depender apenas da eficiência que cada operação tem. Em Portugal este processo já tem vindo a ser implementado, pelo que os trabalhadores saem porque surgem novas oportunidades profissionais ou em situação de reforma", disse, acrescentando que a operação no país "é bastante eficiente".

Na comunicação interna citada pela Efe, a Repsol salienta que o processo de redução do pessoal será acompanhado de "novos planos para potenciar o talento interno e as oportunidades de carreira profissional" e será efetuada "da forma responsável como sempre atua a empresa", sem contudo avançar mais detalhes.

O documento refere ainda alguns dos "desafios, oportunidades e exigências" do novo plano estratégico que, segundo o grupo, "estará orientado para a criação de valor" e para "fortalecer" o modelo de gestão.

Adicionalmente, estará focado em rentabilizar "as oportunidades resultantes do atual perfil da empresa", que com a integração da Talisman assumiu uma maior dimensão e uma presença global.

"O plano estratégico vai dar uma clara resposta em matéria de capacidade de adaptação, inovação, otimização da carteira de ativos, eficiência, simplificação de processos, eliminação de redundâncias, excelência operativa e redução de custos", acrescenta.

Para atingir estes objetivos, a Repsol aponta uma "visão transformadora" e "uma liderança focada nos resultados e no desenvolvimento de equipas baseadas na meritocracia", assim como a flexibilidade.

A Repsol adquiriu a petrolífera canadiana Talisman em finais de 2014, o que lhe permitiu duplicar em tamanho e antecipar sinergias no valor de 350 milhões de dólares por ano.

Lusa

  • Repsol vende combustíveis simples pouco mais baratos
    4:05

    Economia

    Todos os postos de abastecimento passam hoje a vender combustíveis simples, gasóleo e gasolina sem aditivos, cumprindo a nova lei. Mas as diferenças de preço não parecem ser substanciais. A SIC visitou um posto da Repsol em Algés onde o gasóleo simples é vendido a 1,264 euros por litro e a gasolina simples a 1,519 euros, uma diferença de cerca de 5 e apenas 1 cêntimo, respetivamente, para os produtos com aditivos. Ao longo da manhã, a SIC vai passar por vários postos.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.