sicnot

Perfil

Economia

Taxistas madrilenos querem agir coletivamente contra a Volkswagen

A Associação de AutoTáxis de Madrid vai lançar uma plataforma com o objetivo de reunir todos os motoristas que compraram veículos do grupo Volkswagen com motor manipulado para falsear os dados das emissões de gases e agir judicialmente.

© Marcelo del Pozo / Reuters

A associação explicou hoje, em comunicado citado pela agência noticiosa Efe, que vai ajudar todos os taxistas proprietários de carros Volkswagen, Skoda, Audi e Seat cujos veículos estão equipados com 'kits' fraudulentos em motores a diesel que manipulavam os valores das emissões poluentes e que queiram agir judicialmente.

"A associação vai promover os protestos legais de caráter coletivo e que têm por objetivo reclamar danos e prejuízos pela aquisição enganosa de veículos para uso profissional", explicou.

O objetivo, segundo a associação, é fazer as reclamações de forma coletiva, "para unir as forças da maior quantidade de afetados e obter os melhores resultados, minimizando assim os custos".

A Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos acusou a 18 de setembro a Volkswagen de falsear o desempenho dos motores em termos de emissões de gases poluentes através de um 'software' incorporado no veículo, incorrendo numa multa que pode ir até aos 18 mil milhões de dólares (cerca de 15,9 mil milhões de euros).

Dois dias depois, a Volkswagen reconheceu ter falseado os dados.

Na semana seguinte, o presidente executivo da Volkswagen, Martin Winterkorn, pediu a demissão e, na sexta-feira passada a empresa anunciou a nomeação de Matthias Mueller, atual presidente da Porsche, como novo presidente executivo do grupo.

Entretanto, a Audi, a Skoda e Seat já admitiram ter veículos em todo o mundo equipados com o 'software'.

Entretanto, as autoridades suíças e espanholas anunciaram que proibiram temporariamente a venda de novos carros do grupo Volkswagen a gasóleo.

O ministro de Indústria, Energia e Turismo espanhol, José Manuel Soria, disse que o governo vai exigir à Seat, marca do grupo Volkswagen, que devolva as ajudas estatais recebidas relativamente aos carros produzidos em Espanha envolvidos no escândalo das emissões.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.