sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida de Portugal a subir em todos os prazos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir a dois, cinco e dez anos em relação aos valores de quinta-feira.

(LUSA/ ARQUIVO)

Cerca das 08:40 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 2,357%, contra 2,338% na quinta-feira e depois de terem subido até aos 3,253% a 15 de junho último, um máximo desde meados de outubro de 2014.

O mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de março passado.

No prazo de dois anos, os juros também estavam a avançar, para 0,290%, acima dos 0,285% de quinta-feira, depois de a 08 de julho terem batido o máximo, de 0,807%, desde outubro.

O mínimo de sempre dos juros a dois anos, de 0,013%, foi atingido a 13 de abril passado.

No mesmo sentido, os juros a cinco anos estavam a avançar, para 1,108%, contra 1,091% no fecho de quinta-feira e depois de terem atingido o máximo de 1,927% a 16 de junho e o mínimo de 0,749% a 10 de abril.

Os juros da dívida da Itália estavam a subir em todos os prazos e os de Espanha e da Irlanda estavam a cair a dois anos e a subir a cinco e a dez anos.

Em relação aos juros da Grécia, estes estavam a cair a dois anos e a subir a dez anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 8:40:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

02/10....0,290.....1,108....2,357

01/10....0,285.....1,091....2,338

Grécia

02/10......9,499....n disp....8,040

01/10.....10,042....n disp....8,018

Irlanda

02/10......-0,205....0,309.....1,172

01/10......-0,204....0,295.....1,152

Itália

02/10......0,102.....0,713....1,696

01/10......0,100.....0,712....1,680

Espanha

02/10......0,109......0,840....1,827

01/10......0,110......0,837....1,815

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),