sicnot

Perfil

Economia

Governo britânico vai vender restante capital que detém no Lloyds

O Governo britânico anunciou esta segunda-feira que vai vender o resto do capital que o Estado ainda detém no banco Lloyds, através de uma operação pública de venda de ações.

(Arquivo)

(Arquivo)

Matt Dunham / AP

O Lloyds teve de ser intervencionado e, por essa razão, o Estado britâncio ficou com mais de 40% do capital. Agora, já só restam 12% e é essa fatia que vai ser vendida nos próximos meses.

Tratam-se de ações no valor total de 2700 milhões de euros, naquele que é o maior processo de privatização no Reino Unido desde os anos 80.

O dinheiro será utilizado para reduzir a dívida pública.

  • Lloyd's confirma fecho de 150 balcões e despede nove mil funcionários

    Economia

    O Lloyds confirmou o fecho de 150 balcões durante os próximos três anos e vai despedir nove mil funcionários. Parte do plano de estratégia do banco britânico, liderado por António Horta Hosório, foi revelado na apresentação de resultados quando revelou que vai investir 1,3 mil milhões de euros em tecnologia digital. No terceiro trimestre do ano, os lucros do banco ascenderam os 952 milhões de euro enquanto as perdas caíram. Ainda assim, o Lloyds conseguiu 1,1 mil milhões de euros para indemnizar os clientes fazendo um custo total de cerca de 14 mil milhões de euros. O Lloyds já fechou 630 agências e atualmente opera com cerca de duas mil.

  • Espanha e Portugal a um ponto dos oitavos

    Mundial 2018 / Irão

    A Espanha colocou-se esta quarta-feira a um ponto dos oitavos de final do Mundial 2018 e deixou Portugal em situação idêntica, ao vencer o Irão por 1-0, em jogo do grupo B, disputado em Kazan.

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49