sicnot

Perfil

Economia

FMI mantém crescimento de 1,6% mas espera menos desemprego

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve as previsões de crescimento em Portugal, antecipando um crescimento de 1,6% este ano e de 1,5% no próximo, mas esperando agora uma taxa de desemprego menor.

Para 2020, a instituição liderada por Christine Lagarde continua a prever um crescimento da economia portuguesa de 1,2%. (Arquivo)

Para 2020, a instituição liderada por Christine Lagarde continua a prever um crescimento da economia portuguesa de 1,2%. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

De acordo com o 'World Economic Outlook', hoje divulgado, o FMI antecipa que o Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal cresça 1,6% em 2015 e que cresça ligeiramente menos (1,5%) em 2016, mantendo assim as previsões apresentadas na edição de abril deste relatório bianual.

Para 2020, a instituição liderada por Christine Lagarde continua a prever um crescimento da economia portuguesa de 1,2%.

No entanto, as previsões para o desemprego do Fundo são agora ligeiramente mais otimistas do que as apresentadas em abril, antecipando-se que a taxa de desemprego caia para os 12,3% este ano e para os 11,3% no próximo (o que compara com a estimativa anterior de 13,1% em 2015 e de 12,6% em 2016).

O Governo antecipa um crescimento económico de 1,6% este ano, mas espera que a economia portuguesa acelere o ritmo de crescimento para os 2% em 2016 e, quanto ao desemprego, o executivo de Pedro Passos Coelho antecipa que a taxa seja de 13,2% no final deste ano, caindo para os 12,7% no final de 2016.

A instituição liderada por Christine Lagarde manteve as suas previsões para a inflação em Portugal, que deverá ser de 0,6% e de 1,3% em 2015 e em 2016, respetivamente, mas reviu os seus cálculos para a evolução das contas externas.

O FMI prevê agora que as contas de Portugal com o estrangeiro cheguem ao final deste ano nos 0,7% do PIB e que cresçam para os 1,6% do PIB no próximo ano, quando em abril previu que atingissem os 1,4% e os 1% em 2015 e em 2016, respetivamente.

Lusa

  • "O PSD não é o bombeiro de serviço desta geringonça"
    1:09

    TSU

    O líder da bancada social-democrata avisa os partidos da esquerda para que tenham o caso da TSU como exemplo e não voltem a usar o PSD como muleta em situações em que não estejam de acordo com o Governo, como pode vir a acontecer com as PPP no setor da saúde. Luís Montenegro foi entrevistado esta manhã na SIC Notícias.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.