sicnot

Perfil

Economia

FMI mantém crescimento de 1,6% mas espera menos desemprego

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve as previsões de crescimento em Portugal, antecipando um crescimento de 1,6% este ano e de 1,5% no próximo, mas esperando agora uma taxa de desemprego menor.

Para 2020, a instituição liderada por Christine Lagarde continua a prever um crescimento da economia portuguesa de 1,2%. (Arquivo)

Para 2020, a instituição liderada por Christine Lagarde continua a prever um crescimento da economia portuguesa de 1,2%. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

De acordo com o 'World Economic Outlook', hoje divulgado, o FMI antecipa que o Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal cresça 1,6% em 2015 e que cresça ligeiramente menos (1,5%) em 2016, mantendo assim as previsões apresentadas na edição de abril deste relatório bianual.

Para 2020, a instituição liderada por Christine Lagarde continua a prever um crescimento da economia portuguesa de 1,2%.

No entanto, as previsões para o desemprego do Fundo são agora ligeiramente mais otimistas do que as apresentadas em abril, antecipando-se que a taxa de desemprego caia para os 12,3% este ano e para os 11,3% no próximo (o que compara com a estimativa anterior de 13,1% em 2015 e de 12,6% em 2016).

O Governo antecipa um crescimento económico de 1,6% este ano, mas espera que a economia portuguesa acelere o ritmo de crescimento para os 2% em 2016 e, quanto ao desemprego, o executivo de Pedro Passos Coelho antecipa que a taxa seja de 13,2% no final deste ano, caindo para os 12,7% no final de 2016.

A instituição liderada por Christine Lagarde manteve as suas previsões para a inflação em Portugal, que deverá ser de 0,6% e de 1,3% em 2015 e em 2016, respetivamente, mas reviu os seus cálculos para a evolução das contas externas.

O FMI prevê agora que as contas de Portugal com o estrangeiro cheguem ao final deste ano nos 0,7% do PIB e que cresçam para os 1,6% do PIB no próximo ano, quando em abril previu que atingissem os 1,4% e os 1% em 2015 e em 2016, respetivamente.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.