sicnot

Perfil

Economia

UGT propõe aumento do salário mínimo para 535 euros a partir de janeiro

A UGT propõe a fixação do salário mínimo nacional nos 535 euros a partir de 1 de janeiro de 2016 e um aumento salarial médio entre 2,5% e 3,5% para todos os trabalhadores dos setores público e privado.

Lusa/Arquivo

Lusa/Arquivo

Lusa

Esta decisão resulta da reunião do secretariado nacional da UGT, que se reuniu hoje em Lisboa, na qual foi aprovado o caderno reivindicativo da estrutura liderada por Carlos Silva.

Além destas medidas, a central sindical propõe também "o fim de cortes nos salários, subsídios e outras componentes remuneratórias na administração pública e setor público empresarial, com reposição dos valores de 2010".

O secretariado nacional propõe ainda um aumento das pensões mínimas de 5,0% (pensão social, da pensão agrícola e da pensão mínima do regime geral).

A UGT defende, assim, um aumento de 3,5% para as pensões inferiores a um Indexante de Apoio Social (IAS, atualmente nos 419,22 euros), um aumento entre 2,5% e 3,%5 para as pensões de valor superior a um IAS, o fim da contribuição extraordinária de solidariedade (CES) sobre as pensões e uma atualização das prestações e complementos sociais em linha com o aumento proposto para as pensões mínimas, de acordo com o documento aprovado e distribuído aos jornalistas.

A central sindical reivindica ainda uma atualização do IAS para os 440 euros a partir de 01 de janeiro de 2016, ou seja, um aumento de 5,0%.

Lusa

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.