sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal mantém previsão de crescimento da economia em 1,7%

O Banco de Portugal (BdP) continua a prever que a economia portuguesa cresça 1,7% este ano, mantendo uma previsão ligeiramente mais otimista do que a do Governo. A instituição considera ainda que "é exequível" que o défice orçamental fique abaixo dos 3% do PIB este ano, o que permitiria a saída do país dos défices excessivos, ao abrigo das regras europeias, mas alerta para riscos.

reuters

No Boletim Económico de outubro, divulgado hoje, a instituição liderada por Carlos Costa mantém a projeção de crescimento da economia portuguesa inalterada face ao documento apresentado em junho, ou seja, nos 1,7%.

Esta estimativa está 0,1 pontos percentuais acima da projeção de crescimento económico de 1,6% apresentada pelo Governo liderado por Pedro Passos Coelho no Programa de Estabilidade 2015-2019.

De acordo com o banco central, o crescimento económico este ano será sustentado por um "dinamismo robusto da procura externa, uma menor fragmentação financeira na área do euro e uma melhoria nas condições monetárias e financeiras", em sequência das medidas adotadas pelo Banco Central Europeu (BCE).

Além disso, o BdP assinala "a consolidação de expectativas favoráveis dos agentes económicos quanto à evolução do rendimento permanente", o que contribuiu para o "dinamismo da procura interna".

Também o crescimento das exportações, o aumento do emprego no setor privado e uma queda no desemprego, bem como as baixas pressões inflacionistas caracterizam "a recuperação em curso", segundo o banco central.

O Banco de Portugal considera agora que a procura interna e as exportações representam um maior contributo para o Produto Interno Bruto (PIB), de 2,6 e 2,5 pontos percentuais, respetivamente (uma diferença de mais 0,5 pontos face ao Boletim de junho).

O banco central acredita também que as importações vão ter um maior impacto negativo no crescimento do PIB, penalizando-o em 3,4 pontos percentuais, quando em junho este impacto representava -2,4 pontos.

A entidade também mantém as previsões de junho para a taxa de inflação, estimando que represente 0,5% em 2015.

O BdP continua ainda a prever que Portugal feche o ano com contas externas positivas, de 2,3% do PIB, embora tenha revisto em baixa a previsão do saldo das balanças corrente e de capital, que em junho era 3% do PIB.

O Banco de Portugal atualiza as suas projeções económicas um dia depois de o Fundo Monetário Internacional (FMI) também o ter feito: a instituição liderada por Christine Lagarde manteve as suas previsões e estima que a economia portuguesa cresça 1,6% este ano.

Também a Comissão Europeia, segundo as previsões de primavera, estima que a economia portuguesa cresça 1,6% em 2015.

Banco de Portugal considera que "é exequível" ter défice abaixo dos 3% em 2015

O Banco de Portugal considera que, "com base na informação disponível, o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo [PDE] em 2015 parece exequível desde que se mantenham as tendências de evolução subjacentes à execução do primeiro semestre", sobretudo as medidas de política orçamental "atualmente em vigor".

Recordando que na notificação de setembro do PDE enviada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) a Bruxelas, o Governo manteve inalterada a sua previsão de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) para o défice no final deste ano, o Banco de Portugal escreve que "o valor reportado é compatível com a correção da situação de défice excessivo em 2015".

No boletim económico a instituição adverte que "a evolução observada até junho evidencia riscos", destacando a "incerteza que habitualmente caracteriza a orçamentação do lado da despesa" e também o "comportamento da receita fiscal líquida no conjunto do ano", sobretudo nos impostos sobre o rendimento e património e o IVA -- Imposto sobre o Valor Acrescentado.

O Banco de Portugal refere que as suas estimativas apontam para que "uma parte significativa da redução do défice orçamental prevista para 2015 decorra de uma recuperação da atividade económica, em particular no que se refere ao consumo privado e à evolução da massa salarial".

As instituições internacionais continuam, no entanto, a antecipar um desempenho orçamental mais pessimista, esperando que o défice português continue acima de 3%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou na terça-feira a sua previsão orçamental para Portugal, esperando agora que o défice no final do ano seja de 3,1%, um valor que coincide com a última projeção da Comissão Europeia, apresentada em maio.

A confirmarem-se estas projeções isso significaria que Portugal continuará no PDE, que estabelece que os países europeus que tenham um défice superior a 3% devem adotar uma estratégia orçamental para cumprir aquele limite.

Em setembro, depois de o INE revelar que o défice orçamental em contas nacionais (a ótica que conta para Bruxelas) até junho tinha sido de 4,7%, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) disse que o desempenho orçamental na primeira metade do ano "coloca em risco o cumprimento do objetivo anual" e que "poderá comprometer o encerramento do PDE".

Posteriormente, a UTAO sublinhou que, apesar das "evoluções desfavoráveis" da receita e da despesa até agosto, o Orçamento do Estado para 2015 "inclui uma margem que permite acomodar alguns desvios".

Também o Conselho de Finanças Públicas (CFP) advertiu que, para que a meta do Governo para 2015 seja cumprida, o défice no último semestre do ano não poderá ser superior a 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB), o que implica uma redução do défice na segunda metade do ano "consideravelmente mais acentuada do que a observada até junho".

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.