sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal mantém previsão de crescimento da economia em 1,7%

O Banco de Portugal (BdP) continua a prever que a economia portuguesa cresça 1,7% este ano, mantendo uma previsão ligeiramente mais otimista do que a do Governo. A instituição considera ainda que "é exequível" que o défice orçamental fique abaixo dos 3% do PIB este ano, o que permitiria a saída do país dos défices excessivos, ao abrigo das regras europeias, mas alerta para riscos.

reuters

No Boletim Económico de outubro, divulgado hoje, a instituição liderada por Carlos Costa mantém a projeção de crescimento da economia portuguesa inalterada face ao documento apresentado em junho, ou seja, nos 1,7%.

Esta estimativa está 0,1 pontos percentuais acima da projeção de crescimento económico de 1,6% apresentada pelo Governo liderado por Pedro Passos Coelho no Programa de Estabilidade 2015-2019.

De acordo com o banco central, o crescimento económico este ano será sustentado por um "dinamismo robusto da procura externa, uma menor fragmentação financeira na área do euro e uma melhoria nas condições monetárias e financeiras", em sequência das medidas adotadas pelo Banco Central Europeu (BCE).

Além disso, o BdP assinala "a consolidação de expectativas favoráveis dos agentes económicos quanto à evolução do rendimento permanente", o que contribuiu para o "dinamismo da procura interna".

Também o crescimento das exportações, o aumento do emprego no setor privado e uma queda no desemprego, bem como as baixas pressões inflacionistas caracterizam "a recuperação em curso", segundo o banco central.

O Banco de Portugal considera agora que a procura interna e as exportações representam um maior contributo para o Produto Interno Bruto (PIB), de 2,6 e 2,5 pontos percentuais, respetivamente (uma diferença de mais 0,5 pontos face ao Boletim de junho).

O banco central acredita também que as importações vão ter um maior impacto negativo no crescimento do PIB, penalizando-o em 3,4 pontos percentuais, quando em junho este impacto representava -2,4 pontos.

A entidade também mantém as previsões de junho para a taxa de inflação, estimando que represente 0,5% em 2015.

O BdP continua ainda a prever que Portugal feche o ano com contas externas positivas, de 2,3% do PIB, embora tenha revisto em baixa a previsão do saldo das balanças corrente e de capital, que em junho era 3% do PIB.

O Banco de Portugal atualiza as suas projeções económicas um dia depois de o Fundo Monetário Internacional (FMI) também o ter feito: a instituição liderada por Christine Lagarde manteve as suas previsões e estima que a economia portuguesa cresça 1,6% este ano.

Também a Comissão Europeia, segundo as previsões de primavera, estima que a economia portuguesa cresça 1,6% em 2015.

Banco de Portugal considera que "é exequível" ter défice abaixo dos 3% em 2015

O Banco de Portugal considera que, "com base na informação disponível, o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo [PDE] em 2015 parece exequível desde que se mantenham as tendências de evolução subjacentes à execução do primeiro semestre", sobretudo as medidas de política orçamental "atualmente em vigor".

Recordando que na notificação de setembro do PDE enviada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) a Bruxelas, o Governo manteve inalterada a sua previsão de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) para o défice no final deste ano, o Banco de Portugal escreve que "o valor reportado é compatível com a correção da situação de défice excessivo em 2015".

No boletim económico a instituição adverte que "a evolução observada até junho evidencia riscos", destacando a "incerteza que habitualmente caracteriza a orçamentação do lado da despesa" e também o "comportamento da receita fiscal líquida no conjunto do ano", sobretudo nos impostos sobre o rendimento e património e o IVA -- Imposto sobre o Valor Acrescentado.

O Banco de Portugal refere que as suas estimativas apontam para que "uma parte significativa da redução do défice orçamental prevista para 2015 decorra de uma recuperação da atividade económica, em particular no que se refere ao consumo privado e à evolução da massa salarial".

As instituições internacionais continuam, no entanto, a antecipar um desempenho orçamental mais pessimista, esperando que o défice português continue acima de 3%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou na terça-feira a sua previsão orçamental para Portugal, esperando agora que o défice no final do ano seja de 3,1%, um valor que coincide com a última projeção da Comissão Europeia, apresentada em maio.

A confirmarem-se estas projeções isso significaria que Portugal continuará no PDE, que estabelece que os países europeus que tenham um défice superior a 3% devem adotar uma estratégia orçamental para cumprir aquele limite.

Em setembro, depois de o INE revelar que o défice orçamental em contas nacionais (a ótica que conta para Bruxelas) até junho tinha sido de 4,7%, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) disse que o desempenho orçamental na primeira metade do ano "coloca em risco o cumprimento do objetivo anual" e que "poderá comprometer o encerramento do PDE".

Posteriormente, a UTAO sublinhou que, apesar das "evoluções desfavoráveis" da receita e da despesa até agosto, o Orçamento do Estado para 2015 "inclui uma margem que permite acomodar alguns desvios".

Também o Conselho de Finanças Públicas (CFP) advertiu que, para que a meta do Governo para 2015 seja cumprida, o défice no último semestre do ano não poderá ser superior a 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB), o que implica uma redução do défice na segunda metade do ano "consideravelmente mais acentuada do que a observada até junho".

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.