sicnot

Perfil

Economia

Twitter elimina 336 empregos, 8% dos trabalhadores a nível mundial

A rede social Twitter anunciou hoje que vai eliminar 336 empregos, 8% da sua força laboral em todo o mundo, no âmbito de um plano de reestruturação iniciado com a confirmação de Jack Dorsey na liderança da empresa.

© Robert Galbraith / Reuters

"Não é fácil, mas é o correto. O mundo precisa de um Twitter forte e este é mais um passo para alcançá-lo", afirmou Dorssey num comunicado a anunciar a eliminação de postos de trabalho.

A empresa, criada há nove anos, tem atualmente 4.100 empregados em todo o mundo.

Com 300 milhões de utilizadores, o Twitter registou receitas de 938 milhões de dólares (cerca de 825 milhões de euros, à taxa de câmbio atual) no primeiro semestre deste ano, mas perdeu 299 milhões de dólares (263 milhões de euros) em igual período.

Desde a sua criação, tem perdas acumuladas de 1.900 milhões de dólares (1.670 milhões de euros), de acordo com a Efe.

Na semana passada, a rede social, conhecida pelas suas mensagens curtas, confirmou a nomeação de Jack Dorsey como presidente permanente, um posto que este tinha ocupado de forma interina durante três meses.

Durante este período, Dorsey eliminou o limite de 140 caracteres para as mensagens diretas, anunciou a incorporação de um botão para compras e uma iniciativa para fazer contribuições para as campanhas eleitorais nos Estados Unidos através da rede social.

A nova etapa do Twitter inclui a estreia do seu projeto editorial 'Moments', o lançamento de uma ferramenta de vídeo para anunciantes e a promessa de "grandes mudanças" em 2016, como avançou Dorsey na semana passada.

Lusa

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.