sicnot

Perfil

Economia

Angola importou menos 65% da cerveja entre abril e junho

A importação de cerveja por Angola caiu quase 65 por cento no segundo trimestre do ano, face a 2014, sendo um dos produtos mais afetados pela conjuntura económica do país devido à crise da cotação internacional do petróleo.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

Entre abril e junho do ano passado, ainda antes de surgirem os primeiros efeitos da crise petrolífera, Angola importou 65.773 toneladas de cerveja, volume que no mesmo período de 2015 desceu para 23.280 toneladas, segundo informação do Conselho Nacional de Carregadores (CNC) compilados hoje pela Lusa.

A importação de bebidas, de acordo com dados do executivo angolano relativos a 2014, cifrava-se em cerca de 400 milhões de dólares (352 milhões de euros), mais de metade proveniente de exportações de empresas portuguesas, nomeadamente cerveja.

O grupo português Unicer anunciou na semana passada o encerramento da sua fábrica de refrigerantes Rical, de Santarém, devido a uma quebra estimada em 30% do mercado cervejeiro angolano, um dos principais destinos externos dos produtos da empresa.

Ainda segundo o mais recente boletim estatístico do CNC - instituto público tutelado pelo Ministério dos Transportes e que coordena as operações de comércio e transporte marítimo internacionais -, também a importação de água caiu fortemente neste período, quase 64%, para 3.330 toneladas.

O mesmo aconteceu com os sumos, cuja importação por Angola caiu 62,6%, para 8.013 toneladas.

Além da crise económica, financeira e cambial, a forte quebra nestes três segmentos, em que Angola era um dos mercados de forte aposta das exportações portuguesas, é explicada pelo aumento da capacidade de produção nacional, para ultrapassar as dificuldades de compras ao exterior, pela falta de divisas.

A crise faz-se sentir, embora de forma mais reduzida, nos vinhos, em que a importação angolana diminuiu neste período, para 21.349 toneladas (-17,63%).

O cimento hidráulico continua a ser o produto mais importado por Angola, apesar desse volume ter diminuído 28% no segundo trimestre do ano, com a entrada de 226.541 toneladas.

A importação de farinha de trigo subiu pouco mais de 1%, para 102.453 toneladas, enquanto que as compras de arroz desceram 4% e as das carnes caíram 28%.

No geral, segundo o CNC as importações angolanas registaram uma queda de 25,14%, para 1.897.249 toneladas de produtos diversos.

As importações angolanas - apenas de bens - continuam a ser lideradas a partir da China, apesar de ter vendido menos quase 50%, com 322.200 toneladas, seguida de Portugal, com 290.419 toneladas (- 22,32).

Lusa

  • Consumo de cerveja está a baixar
    2:28

    Economia

    A Associação Portuguesa de Produtores de Cerveja diz que as vendas da bebida sofreram uma quebra em 2014. Os dados apontam que o consumo per capita é de 46 litros, o valor mais baixo dos últimos 12 anos.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15