sicnot

Perfil

Economia

Conselho de Finanças Públicas atualiza projeções macroeconómicas até 2019

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) divulga hoje a atualização do relatório sobre as finanças públicas de Portugal, um documento que inclui as projeções macroeconómicas da instituição liderada por Teodora Cardoso até 2019.

No relatório "Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2015-2019", o CFP atualiza as projeções macroeconómicas e macro-orçamentais para o período de 2015-2019, que foram publicadas pela primeira vez por aquela entidade em março deste ano.

No comunicado divulgado, o CFP indica que esta revisão "tem em conta os desenvolvimentos entretanto ocorridos a nível interno e internacional e procura explicitar os riscos existentes".

Em março, na primeira edição deste relatório, a instituição liderada por Teodora Cardoso estimou que o défice orçamental ficará abaixo dos 3% em 2015, mas que, sem mais medidas, a partir de 2016 e até 2019, supere aquele limite definido pelas regras europeias.

Na altura, os economistas do CFP escreveram que, "no cenário apresentado, de manutenção das políticas em vigor, a trajetória do saldo orçamental aponta para um défice próximo mas acima do teto de 3% do PIB [Produto Interno Bruto] a partir do ano de 2016".

O CFP admitiu ainda um crescimento económico acima de 2% anualmente a partir de 2016, se o Estado devolver a totalidade dos cortes salariais à função pública e se acabar com a sobretaxa em sede de IRS.

Na "ausência de novas medidas de política", o CFP previu um crescimento até mais elevado do que o esperado pelo Governo: 1,6% este ano, 2,3% e 2,4% em 2016 e em 2017, respetivamente, ficando nos 2,2% nos dois anos seguintes.

O Governo previu em outubro, no Orçamento do Estado para 2015, que a economia cresça 1,5% este ano e, em abril do ano passado, no Documento de Estratégia Orçamental (DEO), antecipou um crescimento de 1,7% para 2016.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.