sicnot

Perfil

Economia

Portugal emite hoje dívida pública a 10 e a 22 anos

Portugal regressa hoje ao mercado, com duas emissões de dívida de longo prazo, realizando um leilão de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos e outro a 22, com os quais espera captar até 1.250 milhões de euros.

Em comunicado emitido, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) refere que vai realizar "dois leilões das OT com maturidade em 15 de outubro de 2025 e 15 de abril de 2037, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros".

Segundo o programa de financiamento do último trimestre de 2015, divulgado na semana passada pela agência liderada por Cristina Casalinho, Portugal espera arrecadar até 2.000 milhões de euros em OT e até 3.750 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro (BT) até ao final do ano, totalizando 5.750 milhões de euros.

No final de setembro, o IGCP informou que vai reavaliar a intenção de pagar antecipadamente ao Fundo Monetário Internacional (FMI) este ano e que vai alterar o seu plano de financiamento, prevendo agora obter mais 1.300 milhões de euros.

Numa apresentação a investidores, a agência que gere a dívida pública portuguesa refere que o adiamento da venda do Novo Banco não "altera significativamente" a estratégia de financiamento para o resto deste ano, mas admite que aumenta as necessidades de financiamento líquidas do Estado português e que vai "revisitar" a ideia de pagar mais cedo o empréstimo ao FMI.

O Governo tinha dado a entender que queria avançar com um terceiro reembolso antecipado ao FMI no final do ano, o que poderá agora ser adiado. Nesta altura, o IGCP disse que espera ter uma almofada financeira acima de 8.000 milhões de euros no final de 2015.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".