sicnot

Perfil

Economia

China empresta 5,2 mil milhões de euros a Angola

O Governo angolano anunciou hoje que o acordo estabelecido com a China em junho prevê a atribuição a Angola de um crédito a rondar os seis mil milhões de dólares [5,2 mil milhões de euros], a aplicar em investimento público no país.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Stringer . / Reuters

A informação foi prestada na Assembleia Nacional pelo vice-Presidente da República de Angola, Manuel Vicente, em representação do chefe de Estado, na anual mensagem sobre o estado da nação, no arranque do novo ano parlamentar, devido à "indisposição" de José Eduardo dos Santos.

"Contraíram-se também créditos à China no valor de aproximadamente seis mil milhões de dólares norte-americanos [5,2 mil milhões de euros], destinados a investimento público nos domínios da educação, saúde, água, energia elétrica e estradas, tendo sido já aprovado pelo executivo o plano operacional para assegurar a execução de projetos identificados em 2016 e em 2017", disse Manuel Vicente.

Até agora, e apesar da insistência dos partidos da oposição, não era conhecido o valor destes acordos, fechados durante a visita de Estado de José Eduardo dos Santos à China.

No discurso do chefe de Estado, lido pelo vice-Presidente, foi esclarecido ainda que "até ao presente momento" o valor da dívida pública angolana corresponde a cerca de 45,8% do Produto Interno Bruto (PIB) projetado para 2015.

Angola enfrenta uma crise financeira e económica devido à forte quebra da cotação internacional do barril de crude no mercado internacional, o que provocou também uma crise cambial, pela redução de entrada de divisas no país e fez disparar a inflação, que em termos acumulados, de um ano, já ultrapassa os 11%.

No mesmo discurso, também devido à situação petrolífera, foi ainda anunciada uma revisão oficial em baixa, para 4%, da previsão do crescimento do PIB, face aos anteriores 6,6% apontados no Orçamento Geral do Estado de 2015, revisto em março.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28