sicnot

Perfil

Economia

China empresta 5,2 mil milhões de euros a Angola

O Governo angolano anunciou hoje que o acordo estabelecido com a China em junho prevê a atribuição a Angola de um crédito a rondar os seis mil milhões de dólares [5,2 mil milhões de euros], a aplicar em investimento público no país.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Stringer . / Reuters

A informação foi prestada na Assembleia Nacional pelo vice-Presidente da República de Angola, Manuel Vicente, em representação do chefe de Estado, na anual mensagem sobre o estado da nação, no arranque do novo ano parlamentar, devido à "indisposição" de José Eduardo dos Santos.

"Contraíram-se também créditos à China no valor de aproximadamente seis mil milhões de dólares norte-americanos [5,2 mil milhões de euros], destinados a investimento público nos domínios da educação, saúde, água, energia elétrica e estradas, tendo sido já aprovado pelo executivo o plano operacional para assegurar a execução de projetos identificados em 2016 e em 2017", disse Manuel Vicente.

Até agora, e apesar da insistência dos partidos da oposição, não era conhecido o valor destes acordos, fechados durante a visita de Estado de José Eduardo dos Santos à China.

No discurso do chefe de Estado, lido pelo vice-Presidente, foi esclarecido ainda que "até ao presente momento" o valor da dívida pública angolana corresponde a cerca de 45,8% do Produto Interno Bruto (PIB) projetado para 2015.

Angola enfrenta uma crise financeira e económica devido à forte quebra da cotação internacional do barril de crude no mercado internacional, o que provocou também uma crise cambial, pela redução de entrada de divisas no país e fez disparar a inflação, que em termos acumulados, de um ano, já ultrapassa os 11%.

No mesmo discurso, também devido à situação petrolífera, foi ainda anunciada uma revisão oficial em baixa, para 4%, da previsão do crescimento do PIB, face aos anteriores 6,6% apontados no Orçamento Geral do Estado de 2015, revisto em março.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.