sicnot

Perfil

Economia

Toyota quer acabar com carros movidos por combustíveis fósseis até 2050

A Toyota Motor quer deixar de produzir carros que funcionam só com combustíveis fósseis até 2050, altura em que espera vender apenas veículos híbridos, elétricos ou movidos a hidrogénio, informou o fabricante japonês de automóveis.

© ERIC THAYER / Reuters

Tal permitiria reduzir as emissões de dióxido de carbono dos seus veículos novos em cerca de 90% comparativamente ao volume que os carros Toyota recém-saídos da fábrica emitiam em 2010.

O plano da empresa com sede de Aichi (centro do Japão) poderia ter um peso importante no futuro do setor -- ainda muito dependente da gasolina e do diesel --, numa altura marcada pelo escândalo de manipulação de emissões do grupo Volkswagen, o maior fabricante mundial a par com a Toyota.

A Toyota explicou num documento, em que refere o seu plano de redução de emissões para os próximos cinco anos e o seu "desafio ambiental para 2050", que espera aumentar até às 30 mil unidades (um terço das quais seria no Japão) as vendas anuais de veículos movidos a hidrogénio, que emite apenas vapor de água.

De modo a atingir este objetivo, espera intensificar a produção do Mirai -- comercializado no Japão desde o ano passado e que foi o primeiro veículo de hidrogénio vendido em série -- das 700 para as 3.000 unidades anuais em 2017.

Também pretende começar a vender no mesmo ano autocarros de hidrogénio em Tóquio, cidade onde espera comercializar uma centena em 2020.

Para essa data também quer vender 1,5 milhões de veículos híbridos anualmente, ou seja, 20% mais do que em 2014, e que o volume de emissões dos seus automóveis novos seja cerca de 22% inferior ao de 2010.

A empresa também propôs cortar as emissões de dióxido de carbono das suas fábricas em todo o mundo, por via do uso de fontes renováveis ou de hidrogénio nas linhas de produção, bem como tecnologias industriais mais eficientes.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.