sicnot

Perfil

Economia

Toyota quer acabar com carros movidos por combustíveis fósseis até 2050

A Toyota Motor quer deixar de produzir carros que funcionam só com combustíveis fósseis até 2050, altura em que espera vender apenas veículos híbridos, elétricos ou movidos a hidrogénio, informou o fabricante japonês de automóveis.

© ERIC THAYER / Reuters

Tal permitiria reduzir as emissões de dióxido de carbono dos seus veículos novos em cerca de 90% comparativamente ao volume que os carros Toyota recém-saídos da fábrica emitiam em 2010.

O plano da empresa com sede de Aichi (centro do Japão) poderia ter um peso importante no futuro do setor -- ainda muito dependente da gasolina e do diesel --, numa altura marcada pelo escândalo de manipulação de emissões do grupo Volkswagen, o maior fabricante mundial a par com a Toyota.

A Toyota explicou num documento, em que refere o seu plano de redução de emissões para os próximos cinco anos e o seu "desafio ambiental para 2050", que espera aumentar até às 30 mil unidades (um terço das quais seria no Japão) as vendas anuais de veículos movidos a hidrogénio, que emite apenas vapor de água.

De modo a atingir este objetivo, espera intensificar a produção do Mirai -- comercializado no Japão desde o ano passado e que foi o primeiro veículo de hidrogénio vendido em série -- das 700 para as 3.000 unidades anuais em 2017.

Também pretende começar a vender no mesmo ano autocarros de hidrogénio em Tóquio, cidade onde espera comercializar uma centena em 2020.

Para essa data também quer vender 1,5 milhões de veículos híbridos anualmente, ou seja, 20% mais do que em 2014, e que o volume de emissões dos seus automóveis novos seja cerca de 22% inferior ao de 2010.

A empresa também propôs cortar as emissões de dióxido de carbono das suas fábricas em todo o mundo, por via do uso de fontes renováveis ou de hidrogénio nas linhas de produção, bem como tecnologias industriais mais eficientes.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.