sicnot

Perfil

Economia

Angola já perdeu quase 7,8 mil ME em receitas do petróleo em 2015

A receita fiscal angolana com a exportação de petróleo caiu 51,9 por cento até setembro, face a 2014, apesar do aumento da quantidade exportada, devido à crise da queda da cotação do crude no mercado internacional.

© Stringer . / Reuters

A informação resulta de relatórios mensais do Ministério das Finanças, compilados hoje pela agência Lusa, sobre a arrecadação de receita fiscal com a exportação de crude entre janeiro e setembro, período em que entraram nos cofres angolanos 1,102 biliões de kwanzas (cerca de 7,1 mil milhões de euros).

Já nos primeiros nove meses de 2014, e apesar de uma quebra de produção na altura, Angola tinha arrecadado 2,29 biliões de kwanzas (14,9 mil milhões de euros) em receitas fiscais com a exportação de petróleo, o que se traduziu, comparando com este ano, numa descida para menos de metade (51,9%).

Desta diferença resulta que entraram nos cofres angolanos menos quase 7,8 mil milhões de euros (à taxa de câmbio atual) em 2015, face ao período entre janeiro e setembro do ano anterior.

Em causa está a crise da cotação internacional do barril de crude que se faz sentir desde o final de 2014, cuja quebra agravou as contas angolanas, obrigando a aumentar o endividamento externo do país, o segundo maior exportador da África subsaariana, que já ultrapassa os 48% do Produto Interno Bruto (PIB).

No sentido contrário, Angola exportou 599.111.030 de barris de petróleo em nove meses, quando no mesmo período, mas de 2014, esse registo foi de 444.005.128 barris, um aumento homólogo de 9,2%.

O preço médio de cada barril exportado por Angola continua em quebra e entre janeiro e setembro cifrou-se em 54,08 dólares, quando a média de 2015 foi superior a 100 dólares.

Em causa estão números sobre a receita arrecadada com o Imposto sobre o Rendimento do Petróleo (IRP), Imposto sobre a Produção de Petróleo (IPP), Imposto sobre a Transação de Petróleo (ITP) e receitas da concessionária nacional.

Os dados constantes neste relatório do Ministério das Finanças resultam das declarações fiscais submetidas à Direção Nacional de Impostos pelas companhias petrolíferas, incluindo a concessionária nacional angolana, a empresa pública Sonangol.

O petróleo garantiu em 2014 cerca de 70% das receitas fiscais angolanas, mas este ano não deverá ultrapassar os 36,5%, de acordo com as projeções governamentais, devido à quebra na cotação do barril de crude.

  • Sismo registado esta manhã na região de Lisboa

    País

    Um sismo foi sentido esta manhã na região da Grande Lisboa. O abalo foi registado às 7h44, com epicentro em Sobral de Monte Agraço e magnitude de 4.3, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

    Em atualização

  • "É terrorismo, politiquice e interesse económico"
    0:45

    País

    A situação em Mação, no distrito de Santarém, continua muito complicada para os operacionais e para as populações que tentam combater as chamas. Os populares dizem que é de "lastimar" a aflição que se vive.

  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.