sicnot

Perfil

Economia

Concorrência espanhola aprova compra da Panrico pela mexicana Bimbo

A Comissão Nacional dos Mercados e da Concorrência espanhola (CNMC) aprovou a compra da empresa catalã Panrico pelo grupo mexicano Bimbo, uma decisão que reforça a posição da companhia mexicana em Portugal.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Edgard Garrido / Reuters

A Panrico tem nove fábricas em Portugal e Espanha e detém marcas como a Donuts ou a Bollycao. O Grupo Bimbo está presente nestes dois países através da filial Bimbo Iberia, que comercializa mais de 100 referências das marcas Bimbo, Silueta, Ortiz, Martínez, Eagle, Thins, Oroweat e Thomas.

O Grupo Bimbo é a maior empresa de panificação do mundo, contando com 167 fábricas e cerca de 1.600 centros de venda localizados em 22 países da América, Europa e Ásia.

A Bimbo compra a Panrico por 190 milhões de euros ao fundo de capital de risco norte-americano Oaktree. Em junho, o grupo mexicano tinha anunciado um princípio de acordo para a compra, mas a informação da aprovação do negócio pela CNMC foi noticiada hoje pela agência Europa Press.

A operação inclui a aquisição de marcas como a Donuts, Donettes, Bollycao, La Bella Easo, Eidetesa e Qé!, mas deixa de fora o negócio do pão de forma e os substitutos do pão com marca do fabricante.

O Grupo Bimbo, que executou o negócio através da filial espanhola Bakery Iberian Investments, reforça a presença em Espanha e Portugal. Em 2014, a Panrico gerou vendas de cerca de 280 milhões de euros.

Lusa

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.