sicnot

Perfil

Economia

Tribunal de Contas pede esclarecimentos sobre subconcessão do Metro e Carris

O Metropolitano de Lisboa e a rodoviária Carris receberam hoje de manhã do Tribunal de Contas os contratos de subconcessão das empresas para esclarecimento de algumas questões, disse à Lusa fonte da Transportes de Lisboa.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Recebemos hoje de manhã as questões. [...] Não temos ainda previsão de respostas", acrescentou.

Contactada pela Lusa, fonte do Tribunal de Contas disse que os dois processos relativos à subconcessão do Metro e da Carris (administradas pela holding Transportes de Lisboa) "foram devolvidos para mais informações".

Os contratos de subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris foram assinados a 23 de setembro pelo Governo e pela empresa espanhola Avanza, depois de muita contestação por parte dos sindicatos e da Câmara de Lisboa.

Após a assinatura, o Tribunal de Contas dispõe de 30 dias úteis para se pronunciar e só depois deste prazo entram em vigor.

Com a devolução, este período fica interrompido, disse a fonte do tribunal.

O Governo aprovou a 26 de fevereiro a subconcessão do Metro e da Carris, tendo sido em março publicado em Diário da República o anúncio do concurso público internacional.

Em junho passado, o Governo anunciou que o grupo espanhol Avanza venceu o concurso, assegurando que a operação vai implicar uma poupança anual para o Estado superior a 25 milhões de euros e mais de 215 milhões de euros durante o período de concessão, que é de oito anos.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras