sicnot

Perfil

Economia

Taxa de juro e prestação média do crédito à habitação voltam a cair em setembro, indica INE

A taxa de juro implícita e a prestação média vencida dos contratos de crédito à habitação continuaram a diminuir em setembro, fixando-se em 1,228% e 239 euros, respetivamente, informa hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

SIC/Arquivo

SIC/Arquivo

Em agosto, a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação tinha-se fixado em 1,242%, enquanto a prestação média vencida para a globalidade dos contratos tinha sido de 240 euros.

A taxa de juro implícita no crédito à habitação mantém uma tendência decrescente desde há 16 meses.

Segundo o INE, nos contratos celebrados nos últimos três meses a taxa de juro implícita situou-se em 2,317% em setembro (2,331% em agosto) e o valor médio da prestação foi de 315 euros (309 euros em agosto).

No mais relevante destino de financiamento - aquisição de habitação - a taxa de juro implícita no conjunto de contratos registou um decréscimo de 0,012 pontos percentuais (p.p.) face a agosto, situando-se em 1,238%, sendo que nos contratos celebrados nos últimos três meses atingiu 2,271% (2,282% no mês anterior).

Em setembro, o decréscimo de um euro do valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação, para 239 euros, ficou a dever-se à componente juros.

De acordo com o instituto, o montante de capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação foi 52.363 euros em setembro, menos 81 euros do que em agosto, enquanto nos contratos celebrados nos últimos três meses se fixou em 84.974 euros (84.536 euros no mês anterior).

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20