sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da Cimpor reúnem-se com administração para tentar travar despedimento coletivo

A Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM) e a Comissão de Trabalhadores (CT) da Cimpor reúnem-se hoje com a administração da cimenteira para tentar travar o despedimento coletivo de 25 funcionários da empresa.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Segundo disse à agência Lusa um representante dos trabalhadores, a reunião está marcada para as 15:00 na sede da Cimpor, em Lisboa, e contará com a presença de representantes dos funcionários -- FEVICCOM e CT -, da administração da empresa e um técnico do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, como previsto na lei.

A cimenteira Cimpor iniciou na semana passada um processo de reestruturação que afetará 1% dos seus trabalhadores, avançando já em Portugal com um despedimento coletivo de 25 funcionários, na sua maioria quadros superiores.

A empresa justificou este despedimento com a "desaceleração económica sentida em geografias chave para a atividade".

Nesse sentido, a Cimpor iniciou na terça-feira passada "a realização de um processo de reestruturação que afetará cerca de 1% dos seus colaboradores, em países como Brasil, Argentina e Portugal. Em Portugal, este processo cinge-se a cerca de 25 profissionais".

Estes 25 trabalhadores desempenhavam funções nas áreas Corporativa e de Suporte ao Negócio e 'Staff' da Unidade de Negócio Portugal e Cabo Verde, sem abranger assim "qualquer redução nas unidades fabris da Cimpor".

Na altura, fonte da CT confirmou à Lusa que os representantes dos trabalhadores já tinham sido informados desta intenção da administração e que, a avançar - e nos termos da lei -, o despedimento coletivo terá efeitos 75 dias depois do aviso prévio, ou seja, entre dezembro e janeiro.

A Cimpor está presente em oito países de três continentes e conta com cerca de 9.000 colaboradores.

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira