sicnot

Perfil

Economia

BCE mantém taxa de juro em 0,05%

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou hoje que decidiu manter a taxa de juro diretora em 0,05%, um mínimo histórico que tem permanecido desde setembro de 2014. Na reunião de dezembro, o BCE vai reexaminar a sua política monetária, anunciou Mario Draghi.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

A decisão, que já era esperada, foi anunciada após uma reunião de política monetária realizada em Malta, estando prevista para mais tarde uma conferência de imprensa do presidente do BCE, Mario Draghi.

O BCE também deixou inalteradas as taxas de juro aplicáveis aos depósitos em -0,20% e à facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,30%.

BCE vai reexaminar a sua política monetária em dezembro

O presidente do BCE, Mario Draghi, afirmou hoje que a instituição vai "reexaminar a sua política monetária" na reunião de dezembro.

Draghi falava numa conferência de imprensa em Malta, onde decorreu hoje a reunião de política monetária do BCE.

O presidente do BCE disse também que a inflação na zona euro vai permanecer a um nível muito baixo, no curto prazo.

Na reunião de hoje, o Conselho de Governadores decidiu deixar inalterada a taxa de juro diretora em 0,05%, um mínimo histórico que se mantém desde setembro de 2014.

O BCE tem apoiado a economia com taxas de juro muito baixas, com empréstimos aos bancos e um vasto programa de compra de dívida pública e privada ao ritmo de 60 mil milhões de euros por mês, uma iniciativa que começou em março e deve durar pelo menos até setembro de 2016.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.