sicnot

Perfil

Economia

Grécia aprova lei para repor a ordem no setor privado de TV

O Parlamento grego aprovou na noite de sábado um projeto de lei que visa repor a ordem no setor privado de radiotelevisão e lutar contra a colisão poder-media-negócios, através do leilão de licenças audiovisuais.

Parlamento de Atenas (Reuters/ Arquivo)

Parlamento de Atenas (Reuters/ Arquivo)

© Yiorgos Karahalis / Reuters

A lei foi aprovada apenas pelos deputados da maioria parlamentar, ainda que alguns dos artigos tenham tido o apoio do Pasok e do Potami.

Esta reforma era uma das promessas do Governo de Alexis Tsipras aos credores do país, União Europeia (EU) e Fundo Monetário Internacional (FMI), e ao eleitorado, apresentada como algo que irá permitir "restabelecer a transparência na gestão das frequências, um bem público", e encher os cofres do Estado, de acordo com a porta-voz do Governo, Olga Gerovassili.

Combatida pelos barões dos media, a lei prevê a organização de um leilão das frequências de transmissão de sinal digital terrestre, já que o setor privado de radiotelevisão opera com licenças provisórias desde o seu início há 25 anos.

A oposição conservadora de direita votou contra a lei, acusando o Governo de querer impor o seu controlo no setor.

Cerca de uma dezena de televisões privadas operam hoje em dia na Grécia.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.