sicnot

Perfil

Economia

Contratos a prazo voltam a ser de 3 anos

Os contratos a prazo vão voltar a ser mais curtos. A partir de 8 de novembro, o limite máximo de um contrato de trabalho deste género volta a ser de 3 anos, noticia hoje o Jornal de Negócios.

Em 2012, o agora governo cessante tinha prolongado os contratos até cinco anos e meio. A medida, então extraordinária, termina daqui a duas semanas, se o atual governo não voltar a renová-la.

Os contratos a termo certo, com mais de 3 anos, deixam assim de ter renovações extraordinárias.


As empresas que não cumpram o limite arriscam-se a ter de colocar o trabalhador no quadro.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.