sicnot

Perfil

Economia

UGT diz que "seja qual for" o executivo vai lutar pelo aprofundamento da concertação social

O líder da UGT, Carlos Silva, afirmou que não passa "pela cabeça" da central sindical que, seja qual for o Governo, a concertação social não seja aprofundada para reverter medidas dos últimos quatro anos.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA/ ARQUIVO

"A UGT, aquilo que transmitiu hoje, pela minha voz e dos colegas presentes, foi que estará sempre disponível para, qualquer que seja o Governo que aí venha, aprofundar a concertação social. Não nos passa pela cabeça que as políticas que nós apresentámos, inclusivamente a estes partidos políticos [PSD e CDS], que não sejam atendidas por qualquer Governo que venha aí", afirmou Carlos Silva aos jornalistas.

Após ter recebido uma delegação do PSD e do CDS, encabeçada pelo líder centrista, Paulo Portas, a pedido daqueles partidos, Carlos Silva sublinhou falar "em nome da central, sem opiniões pessoais que possam colocar em causa a unidade e coesão", como a preferência por um Governo de sociais-democratas e centristas, com o compromisso do PS, que expressou numa entrevista no dia 12 de outubro passado.

"Quando recebo mensagens, percebo-as à primeira, tirei as minhas ilações", afirmou, recordando que a posição lhe criou "dissensões dentro da UGT, sanadas desde a passada sexta-feira", quando o secretariado da central sindical se reuniu para analisar as declarações de Carlos Silva.

Hoje, Carlos Silva sublinhou que, "seja um Governo da coligação, seja um Governo de esquerda, nomeadamente com o PS", a UGT não vai desistir "de pugnar para que os trabalhadores vejam muitas das políticas dos últimos quatro anos revertidas, até porque o programa de ajustamento já terminou há muito tempo e já é mais do que tempo de minorar os sacrifícios".

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.