sicnot

Perfil

Economia

UGT diz que "seja qual for" o executivo vai lutar pelo aprofundamento da concertação social

O líder da UGT, Carlos Silva, afirmou que não passa "pela cabeça" da central sindical que, seja qual for o Governo, a concertação social não seja aprofundada para reverter medidas dos últimos quatro anos.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA/ ARQUIVO

"A UGT, aquilo que transmitiu hoje, pela minha voz e dos colegas presentes, foi que estará sempre disponível para, qualquer que seja o Governo que aí venha, aprofundar a concertação social. Não nos passa pela cabeça que as políticas que nós apresentámos, inclusivamente a estes partidos políticos [PSD e CDS], que não sejam atendidas por qualquer Governo que venha aí", afirmou Carlos Silva aos jornalistas.

Após ter recebido uma delegação do PSD e do CDS, encabeçada pelo líder centrista, Paulo Portas, a pedido daqueles partidos, Carlos Silva sublinhou falar "em nome da central, sem opiniões pessoais que possam colocar em causa a unidade e coesão", como a preferência por um Governo de sociais-democratas e centristas, com o compromisso do PS, que expressou numa entrevista no dia 12 de outubro passado.

"Quando recebo mensagens, percebo-as à primeira, tirei as minhas ilações", afirmou, recordando que a posição lhe criou "dissensões dentro da UGT, sanadas desde a passada sexta-feira", quando o secretariado da central sindical se reuniu para analisar as declarações de Carlos Silva.

Hoje, Carlos Silva sublinhou que, "seja um Governo da coligação, seja um Governo de esquerda, nomeadamente com o PS", a UGT não vai desistir "de pugnar para que os trabalhadores vejam muitas das políticas dos últimos quatro anos revertidas, até porque o programa de ajustamento já terminou há muito tempo e já é mais do que tempo de minorar os sacrifícios".

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15