sicnot

Perfil

Economia

Nissan chama à revisão 59 mil carros por problema no depósito de combustível

A Nissan vai chamar à revisão 58.740 automóveis, principalmente nos Estados Unidos da América, por um problema no depósito de combustível passível de causar fugas em caso de colisão, confirmou hoje à EFE o fabricante japonês.

© Reuters Staff / Reuters

Do total, 46.760 carros afetados pelo problema foram vendidos nos Estados Unidos, 3.130 no Canadá, 2.500 no México e os restantes na Rússia e Dubai.

A Nissan chamou inicialmente à revisão, em julho passado, cerca de 5.500 modelos Maxima por causa do que considerou ser uma "potencial" falha detetada durante testes de colisão em laboratório.

Após investigar e realizar testes adicionais, o fabricante decidiu aumentar o número de carros a chamar à revisão até às 58.740 unidades anunciadas hoje.

A Nissan garantiu não ter registo de fugas de combustível, incidentes ou feridos associados com este problema.

A falha afeta determinadas unidades dos modelos Maxima, Altima 3.5 e Teana, todos equipados com motores da série VO de 6 cilindros.

Lusa

  • Atores recriam cena em que um homem é vítima de violência doméstica
    1:35
  • Ministério Público admite eventual detenção do presidente do governo da Catalunha
    2:24
  • Bispo vermelho

    "Recebia trabalhadores e sindicalistas, batia à porta de políticos e empresários, andava pelas ruas da cidade ao encontro dos que das ruas da cidade faziam casa". Joaquim Franco evoca Manuel Martins, o "bispo vermelho".

    Joaquim Franco

  • Apreendidos quase 7.000 comprimidos ilegais vendidos pela internet
    1:43

    País

    O Infarmed e a Autoridade Tributária apreenderam perto de 7.000 unidades de comprimidos ilegais.A apreensão aconteceu no âmbito de uma operação internacional da Interpol de combate aos medicamentos ilegais vendidos pela internet, explicou à SIC Luís Sande e Castro, diretor da Unidade de Inpeção do Infarmed.

  • Passageiro detido com 1 kg de ouro no reto

    Mundo

    Os funcionários da alfândega do aeroporto de Colombo, Sri Lanka, estranharam o comportamento de um passageiro que "caminhava com dificuldade". Um exame completo revelou a valiosa carga que levava escondida... no tubo intestinal.