sicnot

Perfil

Economia

Nissan chama à revisão 59 mil carros por problema no depósito de combustível

A Nissan vai chamar à revisão 58.740 automóveis, principalmente nos Estados Unidos da América, por um problema no depósito de combustível passível de causar fugas em caso de colisão, confirmou hoje à EFE o fabricante japonês.

© Reuters Staff / Reuters

Do total, 46.760 carros afetados pelo problema foram vendidos nos Estados Unidos, 3.130 no Canadá, 2.500 no México e os restantes na Rússia e Dubai.

A Nissan chamou inicialmente à revisão, em julho passado, cerca de 5.500 modelos Maxima por causa do que considerou ser uma "potencial" falha detetada durante testes de colisão em laboratório.

Após investigar e realizar testes adicionais, o fabricante decidiu aumentar o número de carros a chamar à revisão até às 58.740 unidades anunciadas hoje.

A Nissan garantiu não ter registo de fugas de combustível, incidentes ou feridos associados com este problema.

A falha afeta determinadas unidades dos modelos Maxima, Altima 3.5 e Teana, todos equipados com motores da série VO de 6 cilindros.

Lusa

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.