sicnot

Perfil

Economia

Parlamento Europeu dá luz verde a fim de roaming em 2017

O Parlamento Europeu (PE) aprovou hoje, em Estrasburgo, o fim das tarifas de roaming a partir de 15 de junho de 2017 nos telemóveis e o acesso aberto à Internet.

Com a aprovação deste relatório, as operadoras de telecomunicações móveis deixarão - a partir de meados de junho de 2017 - de cobrar taxas pelo uso itinerante de telemóveis, no espaço dos 28 Estados-membros.

Antes disso, a 30 de abril de 2016, as tarifas de roaming serão reduzidas para os 0,05 euros por minuto nas chamadas efetuadas, 0,02 euros por mensagem e 0,05 por 'megabyte' de dados, montantes que correspondem ao limite máximo das tarifas grossistas.

No caso das chamadas recebidas, a sobretaxa máxima corresponderá à média ponderada das taxas máximas de terminação móvel na União Europeia (UE) e será fixada pela Comissão Europeia até ao final de 2015.

No entanto, os prestadores de serviços de itinerância poderão aplicar uma "política de utilização razoável" para prevenir uma utilização abusiva, cabendo ao executivo comunitário estabelecer os limites da razoabilidade.

No que respeita à Internet, os operadores devem tratar de forma equitativa todo o tráfego ao disponibilizarem serviços de acesso à Internet, de acordo com as regras relativas à neutralidade da rede negociadas entre o PE e o Conselho da UE.

Estas normas visam proibir os fornecedores de serviços de acesso à Internet de bloquear ou abrandar conteúdos, aplicações ou serviços dos seus concorrentes.

O bloqueio ou o condicionamento dos serviços só será permitido num número limitado de circunstâncias, como por exemplo para combater ciberataques, resolver um congestionamento excecional ou temporário do tráfego ou dar cumprimento a decisões dos tribunais.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06