sicnot

Perfil

Economia

Fornecedora da Apple fecha fábrica na China devido a queda das vendas do iPad

A fabricante eletrónica taiwanesa Coretronic, fornecedora de ecrãs da norte-americana Apple, vai encerrar a produção numa das suas principais fábricas, no leste da China, devido à queda das vendas do iPad em todo o mundo.

© Max Rossi / Reuters

Segundo informa hoje o jornal oficial China Daily, a fábrica, localizada em Nanjing, a capital da província oriental chinesa de Jiangsu, a 300 quilómetros a norte de Xangai, não só parou a produção como iniciou o procedimento administrativo para liquidar os seus ativos por falência.

A unidade, estabelecida em 2005, fabricava módulos de iluminação posterior com ecrãs de cristal líquido (LCD) para os 'tablets' iPad, e conta com mais de 1.500 funcionários, os quais chegaram a produzir um milhão de unidades mensais.

Após cumprir a última encomenda, no início deste mês, a fábrica ficou sem novos pedidos e espera-se que complete a sua liquidação até ao final do ano, apesar de a empresa não ter confirmado se os empregados vão ser despedidos.

A Coretronic é um dos três maiores fabricantes mundiais de módulos de ecrãs LCD e de dispositivos óticos similares e tem outras seis fábricas na China, incluindo nos dois principais polos de alta tecnologia do país: Xangai e Cantão.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31