sicnot

Perfil

Economia

Goldman Sachs multado por abuso de informação confidencial

O banco Goldman Sachs foi multado em 50 milhões de dólares (46 milhões de euros) por violação de restrições à contratação de quadros da entidade reguladora e distribuição de informação confidencial desta proveniente, anunciaram hoje as autoridades.

© Brendan McDermid / Reuters

O Departamento de Serviços Financeiros (DSF), de Nova Iorque, informou que, além da multa, o Goldman Sachs aceitou não fazer contratações durante três anos que lhe dessem acesso a informação sensível do regulador.

"Este caso destaca a necessidade crítica das instituições financeiras de aplicarem controlos e políticas fortes na supervisão de conflitos de interesses dos seus empregados e no uso de informação confidencial do regulador", afirmou o superintendente do DFS, Anthony Albanese.

O Goldman Sachs ignorou as restrições que limitavam um antigo quadro do Banco da Reserva Federal (Fed) de Nova Iorque que contratou em julho de 2014, especificou o DFS.

Este quadro, Rohit Bansal, que trabalhou para a Fed de Nova Iorque durante sete anos, tinha sido aconselhado pelo Gabinete de Ética da antiga entidade patronal a não trabalhar para o Goldman Sachs num banco cliente que ele próprio fiscalizara, quando estava na Fed, até fevereiro de 2015.

Bansal entregou a sua notificação escrita que recebeu do Gabinete de Ética ao Goldman Sachs, mas este ignorou-a e afetou mesmo Bansal às operações com o banco cliente, apontou o DFS.

Bansal também foi acusado de "planear o roubo de documentos confidenciais do governo e do regulador", da Fed de Nova Iorque, para ajudar a aconselhar o banco cliente, acrescentou ainda o DFS.

A fonte de Bansal foi um quadro júnior da Fed de Nova Iorque, Jason Gross, que lhe enviou por correio eletrónico informação confidencial desta entidade reguladora sobre o banco cliente para o endereço pessoal de correio eletrónico de Bansal.

Depois, Bansal reenviou estas mensagens para os seus colegas de trabalho no Goldman Sachs, salientando por vezes que os documentos eram altamente confidenciais e não deveriam ser distribuídos.

Os quadros do Goldman Sachs usaram mais tarde alguma desta informação confidencial para aconselhar o banco cliente numa inspeção do regulador.

Este uso violou as restrições do Estado de Nova Iorque ao uso de informação confidencial de entidades reguladoras e despreza as próprias regras do Goldman Sachs sobre o uso deste tipo de informação por parte dos seus antigos empregados, contrastou o DFS.

Este caso destaca a cultura de proximidade, designada de 'portas giratórias', na qual os quadros circulam entre as agências de regulação e as entidades fiscalizadas.

Este problema tem sido particularmente incisivo com o Goldman Sachs, que tem empregado muitos quadros superiores da administração pública, antes ou depois de estarem no serviço público.

O atual presidente da Fed de Nova Iorque, William Dudley, é um antigo executivo do Goldman Sachs.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57