sicnot

Perfil

Economia

Varoufakis nega estar a ser pago a peso de ouro para participar em conferências

O antigo ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, está a ser criticado por cobrar valores milionários e viajar em primeira classe para participar em conferências. Varoufakis nega as acusações. No blogue pessoal, desmente que tenha cobrado mais de 54.000 euros para discursar fora da Europa e 4.500 para uma comunicação num país europeu.

© Neil Hall / Reuters

O ex-ministro grego divulga os 25 eventos onde participou, com os respetivos valores.

Um deles foi em Coimbra, onde explica que só cobrou as despesas da viagem e em classe económica.

Na mensagem, Varoufakis exige "transparência" e garante que as notícias vêm dos "media amigos da troika".

Descreve o semanário grego, que divulgou a tabela de preços das conferências, como difamatório.

Adianta que só recebe por palestras em casos pontuais, mas admite dois eventos a título comercial. Num deles, em Singapura, recebeu 28 mil e 800 euros.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18