sicnot

Perfil

Economia

Brasil pôs ilha Almada à venda por seis milhões de euros

O Brasil colocou à venda Almada, uma ilha paradisíaca, na costa a norte de São Paulo, numa popular região turística de praias idílicas, com a sua exclusiva extensão de areia e uma casa de luxo construída nos anos 1990.

© Damir Sagolj / Reuters

O leilão está aberto até 3 de novembro, com um preço inicial de 25 milhões de reais (seis milhões de euros), noticiou hoje o sítio noticioso G1.

Mas há um senão, para além do preço, que não é claramente de um período de recessão, que são custos anuais fixos equivalentes a 18 mil euros.

A ilha pertence à Marinha brasileira e "apenas estão a ser vendidos os direitos de uso", adiantou ao G1 o agente imobiliário que está com o processo, Luiz Felipe Azevedo.

Outras das condições é, se houver guerra, a Marinha quer a ilha de volta.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de quatro anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.