sicnot

Perfil

Economia

Congresso dos EUA aprova orçamento para os próximos dois anos

O Senado dos EUA deu luz verde aos orçamentos do país para 2016 e 2017, aprovados na quarta-feira pela Câmara dos Representantes, pondo fim a um cinco anos de constantes confrontos entre republicanos e a Casa Branca.

© Jonathan Ernst / Reuters

Numa votação decorrida ao início da madrugada e por 63 votos a favor e 34 contra, o Senado norte-americano 'carimbou' as contas previamente acordadas pelos líderes do Congresso e a Administração de Barack Obama, as quais elevam o teto da dívida até 2017.

A maioria republicana do Congresso dos EUA e a Casa Branca anunciaram na segunda-feira ter alcançado um acordo, num raro compromisso em matéria orçamental que visava eliminar o risco de incumprimento no período que resta à presidência de Barack Obama.

O texto define os orçamentos para os anos fiscais 2016 e 2017 e autoriza o Tesouro a continuar a contrair empréstimos no mercado até 15 de março de 2017, assegurando, portanto, que Barack Obama não terá de gerir mais crises orçamentais até à sua saída da Presidência, em janeiro desse ano.

O Tesouro tinha fixado 03 de novembro como prazo máximo para o Congresso votar um aumento do limite legal da dívida federal, um montante em dólares revisto regularmente em alta pelo Congresso.

Sem esta votação, Washington arriscava acabar em 'default' (incumprimento).

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras