sicnot

Perfil

Economia

Estado pode ter perdido mais de 500 milhões em benefícios e isenções fiscais em 2013

O Fisco não sabe exatamente quanto é que perde todos os anos com os benefícios e isenções fiscais que concede a milhares de entidades. Oficialmente foram contabilizados mais de mil e 600 milhões de euros de perda de receita em 2013, mas o montante real é bastante superior.

SIC/Arquivo

SIC/Arquivo

Uma auditoria do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado de 2013 mostra que o controlo do Fisco tem falhas que não permitem uma quantificação exata da receita que o Estado deixa de receber.

O Tribunal de Contas analisou uma amostra de 146 operações que oficialmente representavam uma perda de 345 milhões de euros mas descobriu que a perda real era superior e 500 milhões de euros entre irregularidades de outras operações não quantificadas.

O Tribunal de Contas recomenda ainda ao governo que reúna toda a informação sobre o número de entidades envolvidas e o valor das perdas para o Estado.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.