sicnot

Perfil

Economia

Representantes dos trabalhadores da Cimpor contestam despedimento coletivo

Os representantes dos trabalhadores da Cimpor consideram insuficiente a informação fornecida pela empresa para sustentar o despedimento coletivo em curso e vão comparecer à reunião de hoje determinados a opor-se ao mesmo, alegando ilicitude.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"A empresa mandou-nos alguma informação, mas pouco aprofundada, vamos salientar isso na reunião de hoje e, mesmo sem o resto da informação vamos opor-nos ao despedimento", disse à agência Lusa Fátima Messias, da Comissão de Trabalhadores (CT) da Cimpor.

A CT da Cimpor reuniu-se na semana passada com representantes da empresa para discutir o despedimento coletivo, mas o encontro foi inconclusivo, devido à falta de informação.

"Só faremos o nosso parecer formal quando tivermos toda a informação, mas faremos tudo para impedir que o despedimento coletivo se concretize", disse Fátima Messias.

Tendo em conta a informação de que dispõe, a CT considera que "a empresa não está pior" e, por isso, "o despedimento é ilícito.

A CT da Cimpor representa 13 dos 25 trabalhadores alvo de despedimento coletivo, dado que só esses pertencem à Cimpor Indústria.

Os restantes trabalham em empresas do grupo, mais pequenas, que não têm comissões de trabalhadores.

A cimenteira Cimpor iniciou há duas semanas um processo de reestruturação que afetará 1% dos seus trabalhadores, avançando em Portugal com um despedimento coletivo de 25 funcionários, quase todos quadros superiores.

A empresa justificou este despedimento com a "desaceleração económica sentida em geografias chave para a atividade".

O despedimento coletivo terá efeitos no início de 2016 dado que a lei impõe 75 dias de aviso prévio.

A Cimpor está presente em oito países de três continentes e conta com cerca de 9.000 trabalhadores.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40
  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.