sicnot

Perfil

Economia

BCP cortou 711 postos de trabalho e fechou 42 balcões no último ano

O Banco Comercial Português (BCP) reduziu o seu quadro de pessoal em 711 funcionários e encerrou 42 agências entre setembro de 2014 e setembro último, avançou esta segunda-feira a entidade liderada por Nuno Amado.

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Assim, no final dos primeiros nove meses do ano, o BCP contava com um total de 7.555 trabalhadores e 679 agências, contra os 8.266 colaboradores e 721 balcões que detinha um ano antes.

O presidente do banco, Nuno Amado, salientou durante a conferência de imprensa de apresentação das contas que prossegue a bom ritmo "a implementação do plano" negociado com Bruxelas no âmbito do apoio estatal que o banco beneficiou, estando a ser "cumpridos os objetivos estratégicos traçado".

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros.

Já nas operações internacionais houve um aumento dos custos operacionais de 2,8% para 350,2 milhões de euros.

Em termos consolidados, os custos operacionais baixaram 3,8% para 825,4 milhões de euros.

Nuno Amado destacou também mais dois fatores que estão a suportar a recuperação dos resultados do BCP: a melhoria do rácio de eficiência e o abrandamento das imparidades em Portugal.

"O Millennium BCP é o banco mais eficiente em Portugal, com um 'cost to core income' de 56% nos primeiros nove meses de 2015, e é um dos mais eficientes da zona euro", assinalou Nuno Amado.

Quanto às imparidades, houve um recuo de 32,9% para 545,4 milhões de euros em Portugal e um avanço de 35% para 82,6 milhões de euros na atividade internacional.

Em termos de imparidades de crédito, consolidadas, houve uma redução para 628 milhões de euros.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite