sicnot

Perfil

Economia

BCP cortou 711 postos de trabalho e fechou 42 balcões no último ano

O Banco Comercial Português (BCP) reduziu o seu quadro de pessoal em 711 funcionários e encerrou 42 agências entre setembro de 2014 e setembro último, avançou esta segunda-feira a entidade liderada por Nuno Amado.

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Assim, no final dos primeiros nove meses do ano, o BCP contava com um total de 7.555 trabalhadores e 679 agências, contra os 8.266 colaboradores e 721 balcões que detinha um ano antes.

O presidente do banco, Nuno Amado, salientou durante a conferência de imprensa de apresentação das contas que prossegue a bom ritmo "a implementação do plano" negociado com Bruxelas no âmbito do apoio estatal que o banco beneficiou, estando a ser "cumpridos os objetivos estratégicos traçado".

Graças à reestruturação em curso, no que toca à atividade doméstica, os custos operacionais em Portugal caíram mais de 8% para 475,2 milhões de euros.

Já nas operações internacionais houve um aumento dos custos operacionais de 2,8% para 350,2 milhões de euros.

Em termos consolidados, os custos operacionais baixaram 3,8% para 825,4 milhões de euros.

Nuno Amado destacou também mais dois fatores que estão a suportar a recuperação dos resultados do BCP: a melhoria do rácio de eficiência e o abrandamento das imparidades em Portugal.

"O Millennium BCP é o banco mais eficiente em Portugal, com um 'cost to core income' de 56% nos primeiros nove meses de 2015, e é um dos mais eficientes da zona euro", assinalou Nuno Amado.

Quanto às imparidades, houve um recuo de 32,9% para 545,4 milhões de euros em Portugal e um avanço de 35% para 82,6 milhões de euros na atividade internacional.

Em termos de imparidades de crédito, consolidadas, houve uma redução para 628 milhões de euros.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.