sicnot

Perfil

Economia

BCP exclui necessidade de aumento de capital no banco polaco

O Bank Millennium na Polónia, controlado pelo BCP, vai sentir "impacto" das decisões políticas que o novo governo daquele país anunciou, mas está "bem capitalizado", pelo que não vai ser necessário um reforço do capital, afirmou hoje Nuno Amado.

© Hugo Correia / Reuters

"O banco está bem capitalizado, pensamos que não é preciso nenhum aumento de capital na Polónia", disse o presidente do BCP, durante a apresentação das contas da instituição financeira nos primeiros nove meses do ano.

Ainda assim, Nuno Amado admitiu que a mudança política na Polónia "tem impactos, logicamente", apontando desde logo para a "legislação que possa sair sobre a convertabilidade dos empréstimos de francos suíços em zlotys".

E realçou: "Vai haver negociações [entre o governo polaco e a banca] e esperamos um acordo racional e razoável. Apostamos muito nesse processo [negocial]".

Quanto ao lançamento de um imposto extraordinário sobre o setor financeiro polaco, o líder do BCP sublinhou que essa "é uma decisão clara das autoridades", mas que a gestão do banco português aguarda "serenamente" pelos detalhes do mesmo, esperando que reine o "bom senso".

De resto, Nuno Amado disse que está convencido que "já foram descontados esses impactos no valor das ações do banco" polaco, reforçando que "tudo parece apontar para que o banco esteja bem capitalizado".

O BCP detém 50,1% do Millennium Bank.

Lusa

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.