sicnot

Perfil

Economia

Escócia vai acolher maior estrutura mundial de produção de energia eólica no mar alto

O governo escocês autorizou hoje o projeto britânico de instalação de uma estrutura de energia eólica nas suas águas, que pode abastecer 19 mil habitações, realçando que vai ser "a maior do mundo".

© David Moir / Reuters

A empresa norueguesa de energia Statoil pretende instalar cinco turbinas, com uma capacidade individual de seis megawatts cada, a 25 quilómetros das costas de Peterhead, no nordeste escocês.

As turbinas vão ser instaladas em plataformas flutuantes, o que lhes permite serem instaladas longe da costa em águas profundas.

O vice-primeiro-ministro escocês, John Swinney, considerou o plano "formidavelmente excitante".

Irene Rummelhoff, da Statoil, acrescentou, em comunicado, que o nordeste da Escócia oferece "ótimas condições de vento", além de uma forte cadeia logística da fileira de petróleo e gás, por estar próximo da cidade de Aberdeen, que tem uma presença grande da indústria de energia.

"As plataformas flutuantes eólicas representam uma nova, significativa e significativamente concorrencial fonte de energia renovável", acrescentou Rummelhoff.

"O objetivo da Statoil com o desenvolvimento deste parque eólico piloto é demonstrar a viabilidade comercial de uma solução eólica flutuante com escala industrial, para aumentar ainda mais o seu potencial no mercado global", especificou.

Esta localização das turbinas tão longe da costa oferece várias vantagens, como beneficiar de ventos mais fortes, não serem visíveis da costa e causar menos problemas para outros utilizadores do mar, como pescadores.

A construção no mar alto deve começar em 2016 ou 2017.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.