sicnot

Perfil

Economia

Bancos portugueses não constam na lista dos que vão responder a testes de 'stress' em 2016

O Banco Central Europeu (BCE) publicou hoje uma lista de 39 bancos de 10 países da zona euro que vão responder a testes de 'stress' conduzidos pela instituição em 2016, na qual Portugal não consta.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

De acordo com o BCE, a amostra proposta cobre 70% dos ativos do setor bancário na área do euro.

Os testes serão realizados pela Autoridade Bancária Europeia (EBA), que coordenará a operação a um conjunto de 53 bancos da União Europeia, em cooperação com as autoridades nacionais e o BCE.

A operação, de acordo com o BCE, irá ajudar a perceber o nível de resiliência das instituições, "nomeadamente a sua capacidade para absorver choques e responder às necessidades de capital em condições macroeconómicas adversas".

Da lista de bancos, constam, entre outros, o Deutsche Bank e o Commerzbank, na Alemanha, o Banco Santander, o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, o Banco Popular Espanhol e o Banco Sabadell, em Espanha, o BNP Paribas e o Crédit Agricole, em França, e o Banco Nacional da Grécia.

No Reino Unido, os testes serão aplicados no HSBC Holdings, no Barclays, no The Royal Bank of Scotland Group e no Lloyds Banking Group.

Os resultados desta operação serão conhecidos no final de fevereiro de 2016.

O BCE poderá ainda conduzir, em paralelo com esta operação, outros testes de 'stress' a instituições que não constam da lista divulgada.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.