sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas revê em baixa previsão do desemprego para 12,6% em 2015

A Comissão Europeia reviu hoje em baixa a previsão da taxa de desemprego para 12,6% este ano, estando mais otimista do que o Governo, mas admite que a criação de emprego estabilize a partir do segundo semestre.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Francois Lenoir / Reuters

Nas previsões económicas de outono divulgadas hoje, Bruxelas revê em baixa a estimativa da taxa de desemprego em 0,8 pontos percentuais: na primavera, o executivo comunitário antevia uma taxa de desemprego de 13,4%, agora prevê que caia para os 12,6% em 2015.

Em abril, quando divulgou o seu mais recente cenário macroeconómico, o Governo antecipava uma taxa de desemprego de 13,2% no final deste ano, de 12,7% em 2016 e de 12,1% em 2017. Assim, a Comissão Europeia está mais otimista do que o Governo, mas admite que o ritmo de redução estabilize a partir do segundo semestre.

"A criação de emprego ganhou força na primeira metade do ano quando o emprego cresceu 1,3% (face ao período homólogo). Com a força de trabalho a encolher 0,7% no mesmo período devido a desenvolvimentos demográficos negativos, a taxa de desemprego caiu para 13%. No entanto, espera-se que o crescimento do emprego desacelere na segunda metade do ano e, consequentemente, que estabilize a taxas anuais de 0,7% em 2017", explica a Comissão Europeia.

Assim, estima Bruxelas, a taxa de desemprego em Portugal deve descer gradualmente para 11,7% em 2016 e 10,8% em 2017, previsões mais otimistas do que as da primavera, quando a Comissão previa que no próximo ano a taxa de desemprego descesse para 12,6%.

A Comissão Europeia prevê que as maiores quedas das taxas de desemprego este ano aconteçam em países que "implementaram reformas no mercado de trabalho, como Portugal e Espanha", enquanto países onde a taxa de desemprego já é baixa, como a Alemanha, não devem demonstrar grandes oscilações neste indicador.

Em 2016 e 2017, a taxa de desemprego "deve convergir" na União Europeia, uma vez que "as reduções mais significativas ocorrem também nos países com as taxas mais altas (como Espanha, Portugal e Chipre) e o desemprego deve diminuir menos rapidamente ou até aumentar nos Estados-membros onde as taxas de desemprego já são baixas".

Na quarta-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou que a taxa de desemprego em Portugal manteve-se nos 11,9% no terceiro trimestre face ao trimestre anterior, mas caiu 1,2 pontos percentuais em termos homólogos.

Em termos anuais, segundo estimativas recolhidas pela agência Lusa, o BPI espera uma taxa de desemprego em 2015 de 12,6%, enquanto o Montepio e o Núcleo de Estudos sobre a Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica são mais otimistas, esperando uma taxa de desemprego de 12,4% e de 12,3% no final deste ano, respetivamente.

Lusa

  • Bruxelas volta a rever em baixa défice para 2015

    Economia

    A Comissão Europeia voltou a rever em baixa o défice para 2015. O valor, que é agora de 3%, continua acima da estimativa do Governo e está mesmo em cima da linha vermelha do défice excessivo. Bruxelas alerta ainda para a possibilidade de um longo período de incerteza política poder prejudicar a confiança dos consumidores e empresas.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.