sicnot

Perfil

Economia

Grécia volta à recessão este ano devido à "crescente incerteza"

Bruxelas estima que a Grécia vai fechar o ano em recessão, apontando o dedo à "crescente incerteza" gerada pelo falhanço do programa de assistência, o referendo de junho último, o fecho dos bancos e o controlo de capitais.

Lefteris Pitarakis/ AP (Arquivo)

"A economia grega construiu um ímpeto positivo em 2014. No entanto, a conclusão sem êxito do segundo programa de ajustamento, o referendo convocado em junho de 2015 [sobre se o Governo deveria negociar ou não com os credores um novo programa], o fecho dos bancos que se seguiu e a introdução de controlo de capitais geraram incerteza e deterioraram a perspetiva de crescimento", indica a Comissão Europeia nas suas previsões económicas de outono, hoje divulgadas.

Nas suas previsões de primavera, divulgadas em maio, a Comissão ainda estimava um crescimento do PIB grego de 0,5%.

"Apesar da incerteza, o PIB real ainda cresceu 1,0% na primeira metade de 2015. Este resultado inesperado reflete com toda a certeza uma antecipação do consumo por parte de consumidores receosos quanto à perda dos depósitos. Também reflete uma quebra nas importações, à medida que o crédito comercial diminuiu significativamente, e vai ter um impacto retardado na produção", escreve o executivo comunitário.

A Comissão espera uma "recuperação ao longo de 2016, apoiada numa melhoria da confiança, na estabilização do setor financeiro que se seguirá à recapitalização dos bancos esperada para finais de 2015, e o consequente relançamento do investimento e dos projetos de privatização".

"Ainda assim estima-se que a economia grega vai contrair-se 1,3% em 2016, impactada por efeitos de 2015. Em 2017, o crescimento do PIB vai ganhar velocidade e está estimado em 2,7%, à medida que as reformas estruturais realizadas fortaleçam a procura", salienta.

A taxa de desemprego da Grécia, nas previsões de Bruxelas, deverá baixar de 26,5% em 2014 para os 25,7% este ano (mais uma décima do que o previsto), mas subindo novamente para os 25,8% em 2016.

Quanto às finanças públicas, a Comissão vê sinais de deterioração: o défice previsto para este ano nas previsões de primavera era de 2,1%, mas passou agora para 4,6%. Apenas em 2017, o défice deverá chegar aos 2,2%.

A dívida pública grega, que se agravou para 177,1% do PIB em 2014, deverá aumentar para os 194,8% este ano. Em 2016 atinge valores ainda mais altos: 199,7% do PIB.

No capítulo dos preços, a inflação na Grécia vai melhorar (-1,0%), contra os -1,4% de 2014, passando a positiva em 2016 (1,0%) e em 2017 (0,9%).

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.