sicnot

Perfil

Economia

Pessoal de cabine da Lufthansa inicia greve na sexta-feira

O sindicato alemão do pessoal de cabine (UFO), em conflito com a administração da Lufthansa, confirmou hoje a convocação de uma greve a partir de sexta-feira ao meio-dia.

Greve na Lufthansa cancela todos os voos entre Frankfurt e Portugal.

Greve na Lufthansa cancela todos os voos entre Frankfurt e Portugal.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

"O prazo fixado pelo UFO terminou às 17:00 sem qualquer resultado", anunciou o sindicato.

"Já não há qualquer opção que permita evitar a greve de amanhã [sexta-feira]" na Lufthansa, principal companhia aérea do grupo com o mesmo nome, declarou o presidente do sindicato, Nicoley Baublies, citado em comunicado.

O impacto desta greve nos voos é difícil de avaliar, mas a companhia e os sindicatos devem pronunciar-se na sexta-feira.

As negociações entre a transportadora aérea e o pessoal de bordo, iniciadas em 2013, dizem respeito a questões salariais, mas também à proteção contra despedimentos, abrangendo ainda matérias relativas a reformas e pré-reformas.

O sindicato, que representa cerca de 19 mil membros do pessoal de cabine da Lufthansa apresentou na segunda-feira um ultimato à administração, pedindo uma proposta melhor.

O ultimato expirou hoje às 17:00 locais (16:00 em Lisboa) e a greve deve prolongar-se até 13 de novembro, afetando apenas a Lufthansa e não as outras companhias do grupo (Germanwings, Swiss, Austrian).

A greve só começa ao meio-dia de sexta-feira (11:00 em Lisboa) dado que só agora foi anunciado o fracasso das negociações, indicou o sindicato.

A companhia aérea alemã tem enfrentado vários conflitos sociais. Os pilotos fizeram greve por 13 vezes entre abril de 2014 e setembro de 2015, levando ao cancelamento de milhares de voos.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29