sicnot

Perfil

Economia

Volkswagen garante esclarecimento sobre emissões de gases mas pede tempo

O vice-presidente responsável pela área de vendas da marca Volkswagen, Jürgen Stackmann, assegurou hoje que a sua empresa esclarecerá totalmente o escândalo da manipulação de emissões de gases poluentes, mas pediu tempo para a investigação interna.

© Mike Blake / Reuters

Stackmann, que era presidente da Seat até setembro, fez estas declarações durante um debate organizado no âmbito da entrega do prémio automobilístico "Volante Dourado 2015", organizado pela revista especializada "Auto Bild".

"Estamos seguros de que conseguiremos cumprir com o que prometemos, que é esclarecer totalmente o sucedido", assegurou Stackmann relativamente à manipulação, através de um programa informático, das emissões de gases poluentes de 9,5 milhões de veículos, para que cumprissem os límites legais.

Stackmann prometeu "transparência total" em relação à investigação interna que está em curso, para explicar o que sucedeu e apurar responsabilidades.

O novo vice-presidente de vendas pediu, no entanto, paciência para com este processo de investigação.

"Entendo a necessidade de celeridade, mas creio que o essencial é trabalhar com fundamento", disse.

No mesmo debate, Rupert Stadler, conselheiro delegado da Audi, defendeu a decisão da sua empresa, que suspendeu temporariamente as vendas nos Estados Unidos após a última denuncia das autoridades ambientais, que divulgaram que os motores diesel de seis cilindros apresentavam resultados de emissões "irregulares".

Entretanto, o ministro dos Transportes alemão, Alexander Dobrindt, assegurou que assim que o seu departamento conclua a sua própria investigação, apresentará os seus resultados.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".